18 dezembro, 2014

O cinismo da militância de esquerda



Há alguns dias as redes sociais reverberaram mais uma petetice de Jair Bolsonaro. E quando as redes sociais reverberam essas tolices é porque de algum modo elas são úteis à ideologia da militância esquerdopata.  

E por que digo isso? Porque um militante de esquerda só abraça uma causa por pragmatismo, não por valor. Explico-me: quando se vê um militante de esquerda indignado com as torturas praticadas pelos regime militar no Brasil, por exemplo; não é porque ele é contra as torturas e as ditaduras em si - porque se assim fosse, eles não justificariam regimes de esquerda antidemocráticos e que praticam a tortura contra opositores políticos - Eles são contra essas barbaridades porque elas os atingiram e porque, vá lá, eles podem posar de defensores da democracia e de vítimas de um regime cruel.

Quando a militância de esquerda se mobiliza na imprensa e nas redes sociais contra as declarações estúpidas de Bolsonaro, seja contra os homossexuais ou contra as mulheres, a militância está sendo igualmente pragmática. Porque se essa indignação fosse sincera, essa mesma militância não se calaria quando a jornalista Rachel Sheherazade foi vítima de um ataque ainda mais violento promovido por um professor de filosofia da UFRRJ, que no final do ano passado desejou, como votos de fim de ano, que a referida jornalista fosse estuprada. E por que se calaram? Porque a jornalista não era do time deles. O silêncio da militância diante desse ataque me leva a supor que para essa gente a jornalista merecesse mesmo ser estuprada.

E o que dizer das perseguições aos homossexuais em Cuba, no Irã, na Rússia? Por que a militância se cala? Porque a indignação dela tem cálculo político, não é um valor humano. É como se a violência sofrida pelos inimigos ideológicos, ou praticadas pelos regimes amigos fosse desculpável, mas aquelas em que as vítimas são da turma deles fosse um crime contra a humanidade.

Nenhuma pessoa, seja homem ou mulher, sob qualquer circunstância, merece sofrer qualquer tipo de violência. Não há nada que justifique o estupro, a humilhação, a tortura. Nem o mais vil dos criminosos merece, sob a tutela do Estado, um tratamento desumano. Defender o contrário disso, apenas revela que nos falta senso de humanidade. O que me espanta é o cinismo da militância de esquerda que é capaz de protestar contra crimes que seus regimes favoritos praticam ou praticaram como método. 

Um comentário:

jorge Maretto disse...

Parabéns,gosto muito dos seus comenta´rios.Gostaria de receber mais algumas coisa do que do que você escreve,e por fim compartilhar,se você assim permitir.Sendo que já copiei e compartilhei alguma coisa que você aqui narrou.Lembrando que sempre deixe o seu nome em destaque.