22 julho, 2014

Manuel, o venturoso, é nascido!!!


Manuel, o venturoso, meu terceiro filho, é nascido no dia de hoje! Obrigado, meu Deus, por mais essa bênção na minha vida. De cada um deles só espero me que perdoem os erros por excesso de amor, e que me ofereçam, a qualquer tempo, um olhar de ternura. Basta isso, meus pequeninos!!!!


09 julho, 2014

A queda da seleção!


Jogador alemão apiedando-se da seleção brasileira.

Sentimos no estádio do Mineirão, no dia 08 de julho de 2014, uma  vergonha do tamanho do mundo.

Os alemães - sempre disciplinados - nos mostraram o quanto também são altivos e cavalheiros, pois em nenhum momento tripudiaram em cima do nosso retumbante fracasso. Mais do que disciplinados e altivos, os jogadores alemães se mostraram magnânimos por só terem feito sete gols em nosso time.  

Em vários momentos do jogo de ontem, a seleção alemã parecia não acreditar que tinha como adversária a seleção brasileira. Quando no primeiro terço da partida os alemães já venciam por cinco a zero - quatro desses gols em seis minutos – os alemães, em tom respeitoso, pararam de atacar. Lembraram que estavam no Brasil e que havia 200 milhões de pessoas humilhadas, e perplexas com o que assistiam.

Quando o segundo tempo da partida começou, todos viram um time alemão constrangido. Constrangido porque destruía um mito do futebol e porque via um adversário atônito que corria sem direção e sem planejamento atrás de uma bola que só admitia sair dos pés dos jogadores alemães para ser guardada dentro do gol da seleção brasileira.

A superioridade da Alemanha era tão patente, que nos vestiários os jogadores pareciam ter combinado entre si: “Vamos fazer só mais dois gols: o primeiro aos vinte e cinco minutos, e o segundo aos trinta e cinco.” E cumpriram com frieza e disciplina o combinado.

O dia 08 de julho de 2014, no Mineirão, foi o dia de uma demolição. Mais de 1 bilhão de pessoas em todo o mundo testemunharam a ruína de nosso futebol. Caiu, como um castelo de cartas, a ilusão de que tínhamos nessa copa uma Seleção Brasileira.  Apagou-se, em apenas trinta minutos, o orgulho de um país, e as glórias de uma seleção, que, em 100 anos de história, conheceu derrotas amargas, mas nunca uma humilhação dessa envergadura.

Nada sobrou da derrota de ontem. Nem a dignidade.

05 julho, 2014

A taça é deles (e a conta é nossa)

Guilherme Fiuza, O Globo

Os pessimistas e a elite branca deram com os burros n’água: a Copa do Mundo no Brasil é um sucesso. A bola está rolando redondinha, os gramados estão todos verdinhos e o país chegou até aí batendo mais um recorde: gastou com os estádios da Copa mais do que Alemanha e África do Sul juntas. Com brasileiro não há quem possa.

Aos espíritos de porco que ainda têm coragem de reclamar do derrame sem precedentes de dinheiro público promovido pelos faraós brazucas, eis a resposta definitiva e acachapante: a Copa no Brasil tem uma das maiores médias de gols da história. Fim de papo.

De que adianta ficar economizando o dinheiro do povo, evitando os superfaturamentos e as negociatas na construção dos estádios, para depois assistir a um monte de zero a zero e outros placares magros? Fartura atrai fartura. Depois da chuva de verbas, a chuva de gols. É a Copa das Copas. Viva Messi, viva Neymar, viva Dilma.

Está todo mundo feliz, e o país mais uma vez se renderá a Lula. O oráculo afirmou que era uma babaquice esse negócio de querer chegar de metrô até dentro do estádio. Que o brasileiro vai a jogo até de jegue. O filho do Brasil mais uma vez tinha razão.

O país teve sete anos para usar a agenda da Copa e investir seriamente em infraestrutura de transportes. Sete anos para planejar e executar uma expansão decente do metrô nas capitais saturadas, por exemplo — obras caras que dependem do governo federal.

Ainda bem que nada disso foi feito, e as capitais continuaram enfrentando sua bagunça a passo de jegue. Seria um desperdício, porque todo mundo sabe que essa mania de querer chegar aos lugares de metrô é uma babaquice da elite branca.

Felizmente, o dinheiro que seria torrado nessa maluquice foi bem aplicado nos estádios mais caros do mundo, entre outros investimentos estratégicos.

Agora a Copa deu certo, o brasileiro está sorrindo e a popularidade de Dilma voltou a subir — provando de uma vez por todas que planejamento sério é uma babaquice. O que importa é bola na rede.

Nos anos que antecederam a Copa das Copas, os pessimistas encheram a paciência do governo popular com a questão dos aeroportos. Mas o PT resistiu mais uma vez à conspiração dessa burguesia ociosa que reclama de tudo. E deixou para privatizar (que ninguém nos ouça) os aeroportos às vésperas da Copa.

Foi perfeito, porque sobrou mais tempo para o bando da companheira Rosemary Noronha parasitar o setor da aviação civil, proporcionando aos brasileiros o que eles mais gostam: ser maltratados nos aeroportos em ruínas, se possível derretendo com a falta de ar-condicionado (o que Dilma chamou carinhosamente de “Padrão Brasil”).

Os pessimistas perderam mais essa. Na última hora, com um show vertiginoso de remendos e puxadinhos (Brasil-sil-sil!), os aeroportos nacionais não obrigaram nem uma única delegação estrangeira a vir para a Copa de jegue. Todas as seleções entraram em campo — a televisão está de prova.

E, no que a bola rolou, quem haveria de memorizar detalhes insignificantes, como metade dos elevadores da Favela Antonio Carlos Jobim enguiçados, além de algumas esteiras e escadas rolantes interditadas, entre outros desafios dessa gincana Padrão Brasil?

Ora, calem a boca, senhores pessimistas. A Copa deu certo. A Rosemary também.

Quem vai cronometrar o tempo dos otários nas filas monumentais? Os cronômetros só medem a posse de bola. E bem feito para quem ficou preso nos engarrafamentos a caminho do estádio, de casa ou de qualquer lugar. Lula avisou para ir de jegue.

Você ficou engarrafado porque é um membro dessa elite branca que contribui para o aquecimento global. Além de tudo, é ignorante, porque ainda não entendeu que o combustível no Brasil foi privatizado pelos companheiros e seus doleiros de estimação. Como diria o petista André Vargas ao comparsa Alberto Youssef, o petróleo é nosso.

Além de jegue e jabuticaba, o Padrão Brasil tem feriado. Muito feriado. Quantos o freguês desejar. Pode haver melhor legado que esse para a mobilidade urbana?

Se todo mundo andar de jegue e ninguém precisar ir trabalhar, acabaram-se os problemas viários. Poderemos ter Copa todo mês. E os brasileiros não precisarão mais correr riscos com obras perigosas como os viadutos — que, como se sabe, desabam.

A Copa no Brasil tem tido jogos realmente emocionantes. É o triunfo do único inocente nessa história — o futebol. Viva ele. Os zumbis que ficavam gemendo pelas ruas que “não vai ter Copa” sumiram na paisagem do congraçamento das torcidas.
Mas é claro que isso será entendido pela geleia geral brasileira como... gol da Dilma! É a virada dos companheiros, a vitória dos oprimidos palacianos sobre as elites impatrióticas etc. A taça é deles. E a conta é nossa.

Se você não suporta mais essa alquimia macabra, que faz qualquer sucata populista virar ouro eleitoral, faça como os atletas do Felipão: chore.

Guilherme Fiuza é jornalista.