26 junho, 2014

Sobre cidades e afetos.


 
Vista da Esplanada - Brasília - DF


 
Vista do Recife Antigo


Parece que a matéria do NYT falando de Brasília mexeu com os brios dos candangos. Uma analista de redes sociais ganhou notoriedade depois que escreveu uma resposta em seu blog à conclusão um tanto melancólica do jornalista americano que disse sentir pena das pessoas que moram em Brasília. 

Estou radicado nesta cidade há dez anos. Sou de Recife, e se não fosse pelos parentes e amigos, pelo sotaque, pelas praias, pelo rio Capibaribe, pelas praças com árvores, pelo carnaval e pelo Sport Club do Recife não haveria razões para saudades.

Minha mulher, que é brasiliense, apela:  

- E o trânsito de Recife?

Inclino minha cabeça, derrotado. Apesar do trânsito na EPTG no fim do dia, ou nas quadras comerciais do Plano Piloto na hora do almoço, ou no Setor Bancário Sul em qualquer horário; é indiscutível que aqui o trânsito é bem mais civilizado do que em Recife. A rigor, não se pode chamar aquela luta de MMA de carros, ônibus, caminhões e bicicletas que existe em Recife, de trânsito. 

- E a violência? – Ela insiste exigindo agora uma genuflexão.

- No quesito violência, Recife perde feio para Brasília. Infelizmente também perde para São Paulo. Perde até para o Rio de Janeiro, pasmem. 

Toda a celeuma que repercutiu nas redes sociais e chegou aos jornais se deve, a meu ver, a um fato incontornável: por maiores e piores que sejam os problemas da nossa terra natal, sempre a reverenciaremos. Sempre teremos por ela o mesmo carinho que temos por um filho ou pelos pais. Sempre será acionado o mesmo instinto de defesa, quando um estranho sinaliza algo desagradável em relação aos nossos entes queridos, ainda que o impertinente tenha razão.

Em suma: eu gosto de Recife como quem gosta da família de sangue. E de Brasília como quem gosta de uma família adotiva.

E para arrematar: criticar o jornalista por ter escrito que Brasília não parece uma cidade brasileira, me parece injusto. Que outra cidade brasileira respeita a faixa de pedestre? 


Nenhum comentário: