04 setembro, 2011

Mais versos em mais um domingo igual




DOMINGO DE SOL.

Domingo de sol,

Parque e passarinho.

Roupas esportivas, patins, bicicletas;

Bebês nos seus carrinhos.

Papais, mamães,

Avós com seus netos e netas

E eu... sozinho.

O céu muito azul dói os olhos

A solidão, o peito.


Nos dias de setembro, a chuva

é como a alegria,

um ponto fora da curva

um evento impossível,

uma dolorosa ironia...


As crianças correm, brincam e caem

bêbes descansam nos braços dos pais

Os maiores sujam a roupa com picolé,

aquela menina ensaia passos de balé.

A manhã é feliz apenas no lado de lá

Minha mão estendida no ar

imagina quatro mãozinhas

Que morro de saudade de apertar...


O ar está muito, muito seco,

A umidade que há

está nos meus olhos...


Um comentário:

Verânia Aguiar disse...

:) Gostei!