22 julho, 2011

Congresso de Educação

ATO I

CENA I (num palco, o palestrante inicia um número de mágica arracando dos presentes aplausos e interjeições de admiração)

Palestrante Mágico: Meus queridos professores, vocês talvez se perguntem nesse momento por que estou aqui, antes de começar a minha palestra, fazendo esses truques; mas logo logo vocês entenderão.

Quantas vezes já disseram para vocês que aquela turma não tem jeito. Que ninguém ali queria saber de estudar. Que era uma perda de tempo se preocupar com a educação daqueles alunos; e vocês, diante de tanto desestímulo, acabavam acreditando nesses derrotados.

Agora prestem bem atenção a mais esse truque. ( O Palestrante mágico pega uma sacola pequena e fazendo gestos com a mão retira uma caixa brilhante de dentro da sacola)

Quando alguém lhes disser que vocês não podem mudar a realidade daqueles meninos, vocês vão responder: "claro que podemos" (retira mais uma caixa da sacola); Aí os derrotados vão dizer: "Conseguiram uma vez, mas foi por sorte, não conseguem mais". Então vocês, entusiasmados, vão responder: "conseguiremos sim!" (retira da mesma sacola mais outra caixa) e então, os inimigos da educação vão continuar: "Se deu certo com vocês, não dará com os outros e mesmo dando certo num ou noutro caso não dará certo para todos" (o Palestrante faz uma pausa, olha para a plateia e pergunta) É possível tirar mais? (A plateia em coro responde que sim e ele retira outra caixa. Aplausos efusivos)

Vejam, queridos professores, vocês devem ser mágicos, devem provar a esses que conspiram contra a educação, contra o trabalho em sala de aula, que vocês, apesar de todas as dificuldades, podem retirar, do que parecia impossível, dezenas, centenas, milhares de outras caixas. Uma salva de palmas para vocês, professores. (Aplausos)

(O palestrante mágico põe uma música de Enya e com uma voz solene e pausada conclui o seu número)

Há alguém aqui que não acredite que pode fazer a diferença? Há alguém aqui que acredite que não possa fazer mais pela educação? Há alguém aqui que não acredite que todo professor deve ser um mágico? Então me digam: como vocês conseguem, trabalhando três turnos e tendo centenas de alunos, preparar as aulas e corrigir as provas e a tarefas? Como vocês, ganhando o que ganham, conseguem pagar as contas e sustentar a família? Alguém duvida que pode fazer mágica?


02 julho, 2011

Saudade não é solidão.



A Solidão é mais sentir-se só
do que estar sozinho.
É o esforço vão (depois de rever fotografias)
em trazê-los de volta...
A solidão não é revolução,
ela só revolta.

A saudade que espicaça e tortura
Que humilha e paralisa.
A saudade que contrai o coração,
não é saudade. É Solidão!

A Solidão é uma escolha?
Digo que ela se impõe.
Ainda que a gente não convide,
a Solidão sempre vem...
Porque ninguém a resiste.
É o sinal que marca e que antolha
o elo da corrente que nos agriolha.

A Solidão é morrer
E continuar respirando...