10 maio, 2011

Esses jingles, meu Deus!!!



No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a.olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

(...)

Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus! - Fernando Pessoa, Aniversário.

Assombrado, descobri no YOUTUBE uma série de jingles das Casas Zé Araújo. Esses jingles me derrubaram. Fizeram-me voltar a um tempo que eu supunha esquecido para sempre... Fizeram-me lembrar de um tempo em que eu só queria jogar bola, ir pra escola e até fazer versos... De um tempo em que o eu do ontem, menino franzino, sem grandes ambições, mas de sonhos impossíveis, nada tem a ver com o eu de hoje, homem sem tempo nem disposição para ambições e sonhos...

Dedico esse post àquelas pessoas que lá trás conviveram com o eu de ontem e que se encontrassem o eu de hoje, passariam sem cumprimentar...

2 comentários:

Alexandre Valdevino disse...

Zé, é nós na fita!! Como esquecer?? Lembro como se fosse ontem.

Anônimo disse...

É impossivel de esquecer mesmo, acho que também é impossivel você ter mudado tanto assim.