01 novembro, 2010

Para o dia de amanhã...


DOÍDA ALEGRIA

Durante anos

foi a minha constante companhia

aonde eu estava

ele vinha

e ronronando

em meu colo se acolhia

Até que um dia...

Faz anos já que a casa está vazia

Mas eis que

inesperado

ele de novo chega

e se deita ao meu lado

Não me atrevo

a olhá-lo

pois é melhor não vê-lo

que não vê-lo.

Nada pergunto

apenas vivo

a doída ilusão

de tê-lo junto.


Ferreira Gullar; Em alguma parte alguma.



Nenhum comentário: