30 outubro, 2010

A verdade e a mentira como questão de opinião?

Antes de começar o meu texto quero fazer uma distinção que considero pertinente para evitar confusão. Enxergo uma diferença entre um petista e um eleitor do PT. O primeiro, filiado ou não, adere sem constrangimentos aos métodos do partido. É cínico, mentiroso e quando confrontado com a verdade, abespinha-se, fica rude, e, não raro, recorre à violência verbal, podendo descambar para a agressão física. Esse é o petista clássico.

Um eleitor do PT, que não é exatamente um petista, ainda acredita nos valores democráticos que o partido dizia ter quando foi fundado em 1980. Esse eleitor, que fica indignado com políticos venais, que lastima a situação de penúria de brasileiros que vivem em condição abjeta, sem acesso a um sistema de saúde eficiente e a uma escola de qualidade e que sonha com um país "socialmente mais justo"; crê, fortemente, que o PT é um partido comprometido com essas demandas, ou por outra: acredita, de verdade, que nenhum outro partido tenha mais condições de melhorar a vida do povo do que o partido dos trabalhadores.

Os petistas, é claro, também dizem acreditar nisso, mas sabem que é só parte do que eu chamaria de "valores míticos do PT". A eles pouco importa se o partido vai ou não resolver os problemas que promete resolver. O que importa, a verdadeira missão deles é preservar o mito de que só eles podem fazer isso.

Concluindo: um petista usa a mentira como método, e mente com tanta convicção que, diante da verdade, usa a tática orwelliana de chamar a verdade de mentira e a mentira de verdade. Já o eleitor do PT, por desconfiar dos outros partidos e dos outros políticos, por falta de informação consistente e aturdido com as mentiras e as mistificações que o PT e seus reverberadores não se cansam de produzir, se agarra naquela certeza ingênua de que o PT tem compromisso com os pobres. Os petistas enganam. Os eleitores do PT se deixam enganar.

"Ah, Zé Paulo, então os políticos de outros partidos não mentem?", perguntaria o eleitor petista. Sim. Mas nenhum outro partido usa a mentira como método. Nenhum outro partido tem tanta desenvoltura na arte de mentir e enganar. Dificilmente um político não-petista mentiria com tanta frieza e convicção.

E de onde vem essa propensão do petista à mentira? Não é natural, é claro, porque ninguém nasce petista. Conhecer essa origem é o que pretendo responder nesse post.

Protágoras de Abdera, famoso sofista que parece ter feito fortuna na Atenas clássica, cunhou a sentença que será retomada muitos séculos depois pelo filósofo norte-americano, William James. Para o sofista grego, "o homem é a medida de todas coisas". Ou seja, o que torna algo real ou verdadeiro não é a coisa em si, suas premissas, mas a apreensão ou a sensação do que os homens fazem desse algo. Como cada ser humano tem uma percepção particular, a verdade não pode ser única, absoluta, uma vez que a verdade é o que cada ser humano percebe, sente, e, diria James, aceita como verdadeiro. O relativismo foi sem dúvida uma das principais contribuições dos sofistas para a filosofia.

No século XIX, C.S Peirce, filósofo americano, vai exercer sobre um médico e piscólogo compatriota, William Jamens, uma influência decisiva. É verdade que essa influência de Peirce sobre James é fruto do que o segundo achou que o primeiro dissera. Vejam como Russel analisa essa influência:

"A doutrina do pragmatismo é estabelecida em alguns dos primeiros trabalhos de Peirce, numa forma que permite, à primeira vista, a inferência que James extraiu deles. Peirce vincula a sua definição da verdade a uma discussão geral da investigação e dos motivos que a estimulam. A investigação surge de algum tipo de insatisfação ou desconforto e diz-se que o seu objetivo é alcançar um estado de repouso do qual tenham sido eliminadas as influências perturbadoras. O critério que se aceita em qualquer desses estágios intermediários de equilíbrio é, até onde se possa saber, a verdade. Mas nunca se pode saber se novas evidências não venham a exigir uma mudança de opinião. (...) Em relação a isso, afirma que a verdade é a opinião à qual, afinal, a comunidade adere. Superficialmente, isto é um absurdo.

Quanto à influência de qualquer verdade particular, Peirce insiste em que qualquer declaração que pretenda ser verdadeira precisa ter consequências práticas. (...) Diz-se que o significado de uma declaração consiste nessas consequências práticas. Foi sob esta forma que James adotou o pragmatismo."¹

Ainda segundo Russel, James, apoiando-se em Peirce (na verdade, naquilo em que acreditou que Peirce dissera), definirá o seu conceito de verdade como aquilo que produz consequências frutíferas.²

O trecho abaixo foi retirado da obra a História da Filosofia, de Will Durant e reproduz o conceito de verdade, segundo William Jamens

"O verdadeiro (...) é apenas o conveniente no caminho de nosso pensamento assim como o "direito" é apenas o conveniente no caminho do nosso comportamento. Conveniente é quase qualquer moda; e conveniente a longo prazo, e de modo geral, é claro; porque aquilo que satisfaz convenientemente a todas as experiências à vista não irá necessariamente atender a todas as experiências seguintes de forma igualmente satisfatória(...) A verdade é uma das espécies de bem, e não, como em geral se supõe, uma categoria distinta do bem e coordenada com ele. Verdadeiro é o nome de tudo aquilo que se mostra bom no caminho da crença"³

Vemos nesse trecho que William James não acredita, como os sofistas não acreditavam, na verdade objetiva. Mais: para ele a verdade varia com o tempo, como se ele pudesse ter dito que cada época tem a sua verdade. James crê também que o verdadeiro depende das consequências práticas ou frutíferas daquilo que se crê.

Comentando as idéias de Willian James, Will Durant na mesma obra supracitada, analisa:

"Se (...) a verdade foi aquilo testado pela experiência e pelo experimento, a resposta só pode ser: "É claro." Se significa que a utilidade pessoal é um teste da verdade, a resposta não pode ser outra: "É claro que não"; utilidade pessoal é apenas utilidade pessoal; só a utilidade permanente universal constituiria a verdade. Quando alguns pragmatistas falam de uma crença que foi verdadeira em determinada época porque então era útil (embora agora invalidada), estão dizendo bobagem com termos eruditos; tratava-se de um engano útil, não de uma verdade."4

Para mentirosos contumazes, como são os petistas, a definição que James dá do significado da verdade é um prato cheio. Para estes, se uma declaração mostra-se frutífera, se ela funciona de acordo com os objetivos pré-estabelecidos, ela se torna, pelo pragmatismo de James, verdadeira. Daí a insistência dos petistas em reproduzir à exaustão as mentiras com a certeza, infelizmente corroborada pelos fatos, de que estas mentiras úteis serão aceitas, terão a adesão da comunidade, como diria Peirce, e por isso, passarão como verdade.

Para o petista uma declaração tem quem ser antes de tudo pragmática. Se ela funciona para os objetivos do partido deve ser usada sem pudor ou limites, ainda que seja, como geralmente é, uma enorme enganação.

Nem Peirce, nem James eram cínicos. Estavam errados, apenas isso. Mas Goerges Sorel, sociólogo francês influenciado por James, este sim, com sua Teoria do Mito, era um cínico de marca maior. Um petista autêntico deve ao pragmatismo sua insistência em mentir com desenvoltura, mas é inegável que o seu cinismo escatológico deita raízes em Georges Sorel. Mais isso ficará para outro post.


NOTAS:

1 -Russel, Bertrand; História do Pensamento Ocidental, páginas 445 e 446.
2 - Idem; página 450.
3 - Duran, Will; A História da Filosofia. pág 464
4 - Idem; página 470

Nenhum comentário: