14 outubro, 2010

Fingindo falar dos outros falavam de si.



O grande Lelec escreveu um post bastante contudente onde ele justifica o voto em Dilma Roussef.

Numa democracia as pessoas fazem suas escolhas livremente. Eu e Lelec discordamos em bastante coisa, inclusive na nossas escolhas eleitorais. No entanto, entendemos que existem regras que devem ser respeitadas em nome da lisura do processo. Uma dessas regras é o uso da verdade, sem falsetes ou sem a tática de indicar links que, ao invés de provar a informação, apenas reverberam a mentira e a interpretação maldosa.

Infelizmente, e digo isso com muito pesar, numa série de passagens, Lelec deu um crédito demasiadamente perigoso a fatos que ele reputa, penso, inquestionáveis. Vou me ater, por enquanto, a um só: ele, citando Paulo Henrique Amorim, cuja credibilidade é no mínimo controversa, acusa a mulher de José Serra de ter chamado o Bolsa Família de Bolsa Vagabundagem. Os termos foram escritos pelo jornalista, jamais dito pela sra. Mônica Serra. Sendo criterioso desse jeito, Lelec apenas reverbera as mentiras dos petistas ou filo-petistas a soldo.

O texto do Lelec é longo, mas vale uma leitura atenta porque pode-se até discordar dele, como eu faço, mas dificilmente não se poderá admirar sua clareza e estilo, embora eu lamente que, para defender o seu voto, Lelec tenha recorrido a expedidentes que são típicos dos petistas, mas são estranhíssimos numa pessoa de caráter que é o Lelec.

ATUALIZAÇÃO:

A fim de selar a paz com Lelec e manter o espírito de cordialidade entre nós, o que é mais vantajoso para mim do que para ele, afinal, Lelec é uma daquelas raras pessoas que quando a gente desliga o telefone depois de uma conversa, eu fico mais sabido. Portanto, não vale a pena criar um clima ruim entre a gente. Por isso, me retrato da afirmação de que ele tenha apelado propositadamente para a mentira e para a mistificação para justificar o seu voto em Dilma Roussef.

Há outros enganos no post do Lelec que talvez eu me anime a comentar, mas dessa vez, fiquem sossegados, tentarei ser polido, mas se não conseguir é por absoluta falta de hábito mesmo.




9 comentários:

Lelec disse...

Caro Zé Costa,

Sim, pus o link do PH Amorim. Coloquei-o de boa fé. Até agora, não li nenhum desmentido por parte do Serra no que diz respeito a essa declaração de sua esposa. Inclusive, quando a Dilma mencionou isso no último debate, o Serra não defendeu a esposa. Talvez porque a crítica dela ao bolsa família seja verdadeira.

Isso não exclui que algumas coisas que têm sido ditas (por petistas, que fique claro) sobre a esposa do Serra, como um possível aborto antigo, sejam falsas. Isso foi desmentido pelo Serra em nota à imprensa. Não coloquei isso no meu blog.

Se houver um desmentido inequívoco nesse ponto específico, se for demonstrado que essa declaração nunca ocorreu, eu mudo lá no blog para todo mundo ver.

Você sabe se a Sra Mônica Serra está processando PHA? Se não, de acordo com você, é o caso de se processar.

Abraço

Lelec disse...

Ainda sobre o mesmo.

Sobre o Bolsa Família, Mônica diz: "As pessoas não querem mais trabalhar, não querem assinar carteira e estão ensinando isso para os filhos".

O que ela quis dizer quando afirmou isso, Zé? Não está falando que bolsa-família é vagabundagem?

Não foi só o PHA que destacou o que Mônica Serra disse sobre o bolsa família.

Meu texto é passível de críticas, você pode criticar um monte de coisas nele. Mas a declaração da mulher de Serra está aí.

Links abaixo, inclusive de veículos insuspeitos como Valor e o Globo.

http://oglobo.globo.com/pais/noblat/posts/2010/08/23/monica-serra-corrige-critica-ao-bolsa-familia-318439.asp

http://www.guiaglobal.com.br/noticia-eleicoes_2010_vice_de_serra_chama_pronasci_de_bolsa_bandido-4853

Zé Costa disse...

Lelec, as críticas feita pela sra Mônica Serra ao Bolsa Família não diferem significativamente de outras que foram feitas por diversos especialistas, que veem no programa um estímulo a uma postura acomodatícia dos beneficiados pelo Bolsa-Família.

Como você sabe, eu sou de Recife e viajo pelo interior do meu estado. O que vi, em muitos lugares, é um monte de pai e mãe de família abdicarem do trabalho por conta do benefício.

Outro problema vivido pessoalmente por mim ocorreu aqui mesmo em Brasília. Uma candidata a empregada doméstica pediu para não ser registrada porque se não perderia os benefícios do programa.

Aliás, quando o Bolsa Família era apenas o Bolsa-Escola e o Bolsa Alimentação, quem o chamou de esmola foi o presidente Lula, como você deve lembrar.

Sugiro o link abaixo.

http://www.youtube.com/watch?v=83WUqpvddq8

Eu escolhi o exemplo da Mônica Serra, mas poderia, por exemplo, ter escolhido o exemplo do tal telefonema do ministro Gilmar Mendes. Em seu texto, você replica a acusação de que o ministro, após um telefonema do candidato José Serra, teria pedido para interromper a votação no STF, cujo placar estava 7X0 a favor de uma adin impetrada pelo PT. O voto de Gilmar, portanto, não teria como mudar o resultado. A suspeição, que você replicou no seu texto, portanto era rídicula.

O pior, Lelec, é que o tal telefonema foi apenas uma ilação de um jornalista da Folha. Mas, mesmo verdadeira, não se constitui um crime, não é? E pior, naquele contexto, inútil.

Por isso, repito que você, de boa-fé, reverbera as ilações e as mentiras de petistas a soldo. Uma pena, mas você tem o direito de usar esses critérios.

Marcus Vinícius Godinho Camilo disse...

Totalmente equivocada sua afirmação de que, estando o placar 7x0, o voto de Gilmar Mendes não faria diferença. Na verdade, a manobra não era mudar o voto de Gilmar, que poderia inclusive ter votado a favor da ADIN. A questão é que o pedido de liminar, se apreciado apenas após a eleição, perderia seu objeto, ao menos no que tange ao 1º turno. O Gilmar foi inclusive interpelado pelo Min. Marco Aurélio quanto ao esdrúxulo pedido de vista de uma liminar às vésperas do fato, mas se esquivou.

Acredito firmemente que, não fosse a repercussão da conversa com o Serra pelo telefone, Gilmar Mendes certamente teria mantido o pedido de vista por mais uma sessão e, com isso, evitado a análise do pedido de liminar antes do 1º turno.

E isso é apenas a mais grave interferência política no Judiciário que já vi (ao menos pessoalmente) ocorrer nos meus 10 anos de advocacia...

Zé Costa disse...

Ok, Marcos, vou seguir a sua lógica, se me permite.

Você considera que o ministro Gilmar Mendes ao pedir vistas ao processo teria a intenção de postergar a decisão para depois do primeiro turno, querendo, segundo sua ilação, e da Folha, é bom que se diga,beneficiar a candidatura de José Serra.

Então, posso, usando sua lógica, argumentar que os sete ministros que votaram a favor da adin impetrada pelo PT estariam favorecendo a candidatura de Dilma Roussef, certo? Poderia, inclusive, desconfiar do ministro Ricardo Lewandosvski que como presidente do TSE, em junho de 2010, votou a favor da obrigatoriedade da apresentação dos dois documentos para o exercício do voto, mas que em setembro, três meses depois, mudou radicalmente o seu voto. Poderia evocar, finalmente, o fato do referido ministro ter sido uma indicação do presidente Lula. Mas sabe por que eu não acuso Lewandovski de má itenção? Porque tenho senso do rídiculo.

Quando você afirma que se não fosse a repercussão do suposto telefonema, o ministro Gilmar Mendes protelaria a decisão, você está apenas especulando.

Sabe o que não é especulação?

1 - O PT, há poucos dias do pleito ter impetrado uma adin contra uma decisão que ele mesmo foi favorável e empenhou-se por aprovar, baseado numa análise do marqueteiro da campanha de Dilma Roussef.

2 - Que a informação de que se tal medida fosse barrada no STF prejudicaria a candidatura de Dilma, sobretudo no nordeste, surgiu na imprensa, que fez essa leitura da adin impetrada pelo PT.

Não é de hoje que o ministro Gilmar Mendes é execrado por jornalistas, petistas e afins. A principal razão para isso foi a decisão favorável a Daniel Dantas. O que a escumalha esquece de relatar é que a tal decisão foi confirmada pelo pleno do Supremo, estariam todos comprados?

Você tem todo o direito de desconfiar de Gilmar Mendes, mas não pode, se for uma pessoa honesta, ignorar os fatos que eu apresentei.

Lelec disse...

Caro Zé,

Muito obrigado pela retratação.
Sigamos discutindo e lutando, cada um com sua visão da cena política, por um Brasil melhor: é o que nós dois queremos.
Receba meu abraço mais cordial e todo meu respeito, sempre.

Lelec

Luana disse...

Zé Costa, poderia fazer um post clareando a suas razões para votar em José Serra? Digo, sabemos o porquê de você não votar em Dilma, mas o que te leva a conceder seu voto para o candidato do PSDB?

Zé Costa disse...

Olá, Luana!

Já escrevi dois posts onde, acho, justifico meu voto em José Serra. Se interessar a você, pode dar uma lida. Abaixo, os links:

http://zecostajr.blogspot.com/2010/08/e-dai-ou-mentira-pode-muita-coisa-mas.html

http://zecostajr.blogspot.com/2010/09/as-pessoas-de-bem.html

Um abraço.

Luana disse...

Obrigada por me encaminhar os links! Vou dar uma lida sim.
Abraço