29 setembro, 2010

Dilma, o aborto e o boato.

Que a candidata a presidente pelo PT, Dilma Roussef, era, até abril de 2009, claramente favorável ao aborto, só os cínicos negam. Que a mesma candidata deu um recuo tático na sua opinião sobre a legalização do aborto depois de perceber que isso lhe poderia custar votos decisivos, também é notório. O que me causa espécie é ver gente que se diz cristão, defender a candidatura de Dilma como se essa candidatura não representasse um risco para aqueles que lutam contra a legalização do aborto no Brasil.

A fim de diminuir os efeitos negativos que sua opinião sobre o aborto causou no meio cristão, sobretudo evangélico, a candidata do PT reuniu-se com diversas lideranças evangélicas a fim de sustentar que é, segunda ela, "pessoalmente" contra o aborto, e que acredita que nenhuma mulher é, em sã consciência, favorável à interrupção da gravidez.

Mas, todavia, porém, contudo, crê que o Estado deve proteger e cuidar das mulheres que se submetem a práticas, segundo ela, bárbaras, de cometer aborto. A candidata finge que isso já não acontece. Quando uma mulher apresenta complicações depois de um aborto provocado e vai até um hospital público, é atendida pela equipe médica sem qualquer discriminação. O que a candidata quer, com esse discurso ambíguo, é esconder o real propósito do seu partido, revelado no PNDH 3, nos Congressos do PT e em tantos outros fóruns onde petistas mandam e desmandam, é legalizar a prática do aborto no Brasil. Eles têm o direito de fazer isso? É claro que tem! Mas eles não têm o direito de esconder do eleitor esse propósito. Eles não têm o direito de mentir, de enganar, de dizer que são contra a legalização do aborto quando há várias provas de que eles são favoráveis.

Abaixo, um trecho da entrevista que a candidata Dilma concedeu à Marie Claire em abril de 2009 onde afirma com todas a letras que é, sim, favorável ao aborto. A íntegra da entrevista você pode conferir aqui.

MC Uma das bandeiras da Marie Claire é defender a legalização do aborto. Fizemos uma pesquisa com leitoras e 60% delas se posicionaram favoravelmente, mesmo o aborto não sendo uma escolha fácil. O que a senhora pensa sobre isso?

DR
Abortar não é fácil pra mulher alguma. Duvido que alguém se sinta confortável em fazer um aborto. Agora, isso não pode ser justificativa para que não haja a legalização. O aborto é uma questão de saúde pública. Há uma quantidade enorme de mulheres brasileiras que morre porque tenta abortar em condições precárias. Se a gente tratar o assunto de forma séria e respeitosa, evitará toda sorte de preconceitos. Essa é uma questão grave que causa muitos mal-entendidos.

Em outubro de 2007, numa sabatina promovida pela Folha, a então ministra da Casa Civil respondeu de forma inequívoca a uma pegunta sobre a legalização do aborto no Brasil. Logo, tratar como boato o fato de que a candidata Dilma é favorável ao aborto é desonestidade. Assistam, volto em seguida.



Voltei

Em seguida, assista a um outro vídeo do insuspeito e ilibado autoproclamado bispo Edir Macedo que decidiu defender a ministra Dilma contra o que certa imprensa simpática ao PT chama de boatos da internet. Edir Macedo apóia Dilma e também, como fica provado no vídeo, aprova o aborto. É isso!




Perguntada no dabate promovido pela CNBB, que ocorreu no auditório da Universidade Católica em Brasília, em 23 de setembro de 2010, a ministra respondeu desse jeito.



Compare a resposta de 23 de setembro de 2010 com aquela que ela deu à revista Marie Claire em abril de 2009 e com a outra, concedida à Folha, numa sabatina em outubro de 2007.

Dilma, não!!!!

Um comentário:

Anônimo disse...

A mentira para conseguir votos, por parte da Dilma, eu já esperava. Agora, minha esperança real é a de que as pessoas percebam o risco que correm na sua eleição. Para nós mulheres, sua chegada à presidência será uma vergonha, pois a primeira mulher brasileira a chegar a este cargo justamente posiciona-se contra a vida, contra o que as mulheres tem de mais belo: a maternidade!