17 junho, 2009

Se eles estivessem do nosso lado...



Diálogos impertinentes 4*

O Sr. Z estava aplicando uma avaliação de recuperação quando a secretária, a Sra E, entrou na sala e, discretamente, disse-lhe:

- Z., tem uma mãe lá embaixo, muito brava com você. Ela alega que em sua prova de recuperação foram cobrados conteúdos que você disse que não seriam cobrados. É bom ir lá.

Como quem atende a uma ordem aborrecida, o Sr Z dirigiu-se até a coordenação e encontrou uma senhora com um semblante carregado, cheia de razões e pronta para pegar o Sr Z pelo pé.

- Tudo bem, professor? Disse ela com a satisfação de quem está preste a dar um golpe certeiro.

- Tudo bem. Qual o problema? Disse o Sr. Z com sua objetividade característica.

- Alguns alunos terminaram sua prova há pouco e eles afirmam que havia conteúdos diferentes daqueles pré-definidos pelo senhor. O que o senhor me diz?

- A senhora poderia especificar quais seriam esses conteúdos?

- Não! Mas os alunos garantem que havia. – A mãe, com o livro na mão aberto na página do índice, chama um aluno, e pergunta:

- Meu amor, o que caiu na prova que não estava nos conteúdos pré-definidos?

- A Era Napoleônica. Não tinha esse conteúdo na Internet. - Respondeu o aluno com convicção.

Com afirmação tão categórica, a zelosa mãe olha para o Sr. Z com olhar triunfal, como se dissesse: “peguei o senhor!”.

- Vamos conferir o conteúdo disponível na Internet? Sugeriu o professor.

Depois de alguns instantes, apareceu na tela do computador os conteúdos que seriam cobrados na prova. O Sr. Z, então, chamou a mãe para conferir. Tudo estava lá, bem explicado, bem mastigado, inclusive a Era Napoleônica. A mãe, sem graça, ficou em silêncio. O Sr Z quebrou o gelo, dizendo:

- Não é incomum o aluno confundir alguns conteúdos, principalmente quando ele está estudando para várias provas de recuperação. Não se preocupe.

A mãe deixou a sala sem se despedir. O senhor Z, então, pensou: “Se alguns pais pegassem no pé dos filhos como pegam no pé dos professores, talvez nossa educação fosse melhor”


*TEXTO PUBLICADO EM 07 DE JUNHO DE 2008.


2 comentários:

ilka disse...

Nossa!!! já vi esse filme, tá certo que os personagens e o cenário são outros, mas o texto, o mesmo!!! Uma vergonha.

Fernando Sampaio disse...

excelente a charge!