23 março, 2009

O aluno militante é o estudante ignorante?

G1
  1. Estudantes do ensino médio da rede estadual de Vila Velha (ES) voltaram a protestar nesta segunda-feira (23) contra a ampliação da carga horária nas aulas. Eles reclamam da falta de infraestrutura das escolas. Numa faixa, deslizes de português chamaram a atenção. Na frase 'Porque almentar (sic) a carga horária??', aumentar aparece com a letra L no lugar do U e 'por que' deveria ter sido escrito separado, além de ter faltado acento na palavra 'horária'. O protesto ocorreu em frente ao Ministério Público. (Foto: Guido Nunes/Gazeta Online)



Vejam a alegria desses meninos e meninas da foto. Vejam como sequer se envergonham de assassinar a língua portuguesa. Também cometo os meus erros, como sabem aqueles me leem. Agora, não corar de vergonha quando se comete erros como os que se observa nessa faixa, não dá!

Esses alunos, todos do ensino médio de uma escola pública de Vila Velha, foram ao Ministério Público do estado "exercer a cidadania". Provavelmente incentivados por algum professor de filosofia, de sociologia, de história ou de geografia. Posso até imaginar o discurso na sala de aula: "o sistema capitalista, as regras do liberalismo, a burguesia podre, a grande imprensa, todos esses agentes do imperialismo americano, querem moldar o nosso pensamento. Temos que ter voz e buscar nossos direitos. Vamos até o MP protestar! Confeccionem uma faixa para ser fotografada pela imprensa burguesa. Sorriam e fiquem famosos! Vamos lá, pessoal! Exerçamos nossa cidadania!"

Esses professores bem que poderiam corrigir o erro crasso cometido pelos estudantes, mas desconfio que a faixa foi escrita por um desses professores, entendem?

Por aqui, há um certo professor da Unb que defende que aula faz mal a aprendizagem do aluno. Segundo esse sociólogo, chamado Pedro Demo, quem gosta de aula é professor. Aluno, detesta! Por isso, o especialista em educação da Unb defende que deve haver menos aula para os alunos aprenderem mais. Será? Será que com menos aulas de língua portuguesa esses garotos escreveriam o que está na faixa corretamente? Tenho quase certeza que seria muito pior.

Mas como se diz por aí, o mais importante é o aluno participar de movimentos sociais. Aprender a escrever, a fazer contas, isso é coisa da burguesia podre. O que importa é ser um militante da causa. Qualquer uma, desde que seja contra o neoliberalismo ou contra o capitalismo.

Além do mais, para quê ser o melhor se agora o Estado acena com a possibilidade de cotas para alunos da escola pública entrarem na universidade, não é?

2 comentários:

flávia disse...

Nossa,será sincronicidade?Coloquei exatamente essa foto no meu blog.
Caro Zé,o Lula não prometeu 3 refeições ao dia para os alunos?Então,já que o cara é demagogo,assuma.Mas que a carinhas desses alunos,hein.São eles o futuro,affe!!!E o ágrafo pintor letrista é um ignorante.

flávia disse...

Zé,passe lá no meu blog,vamos brigar em relação ao aborto.


http://pensandoflaviaescreve.blogspot.com/