30 setembro, 2008

Bem feito para vocês!

No dia 27 de setembro escrevi o seguinte sobre os elogios que José Múcio e Armando Monteiro Neto fizeram ao Governo Lula e ao candidato João da Costa no último grande comício do candidato do PT à prefeitura do Recife:

"É impossível olhar para José Múcio ou para Armando Monteiro Neto, que fizeram carreira política em outros palanques, tecerem, sem constrangimento, loas a um governo corrupto e a um candidato impugnado pela justiça, sem sentir ânsia de vômito. A Força do petismo e do lulismo vem desse adesismo oportunista. Vem da pachorra de homens públicos que maculam sua herança liberal e democrática por causa de alguns caraminguás e rapapés, porque não duvidem, no politburo petista eles nunca serão admitidos como iguais. Serão como os judeus da corte de Stálin, sempre olhados pelos russos e georgianos com desconfiança ou tentando a todo custo, e sem sucesso, esconder suas origens judaicas".

Agora, vejam o que saiu publicado na Folha on line e que foi colhido por mim do blog do Noblat:

Seis diretórios municipais do PT em Pernambuco formalizaram uma denúncia contra o ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro (PTB), que vem usando o nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva para promover aliados políticos que disputam prefeituras contra o partido.

A queixa formal foi feita para presidente nacional do PT, Ricardo Berzoini, na quarta passada. O petista recebeu do presidente estadual do partido, Jorge Perez, uma gravação em áudio de um discurso feito por Múcio neste mês em São João (240 km de Recife).

Sob aplausos, o ministro diz no palanque que Pedro Antonio (PTB), coligado ao DEM, "é o candidato de Lula" e que a coligação adversária, formada por Antonio de Pádua (PSB) e Hugo Cabral (PT), não tem a preferência do presidente.

Na gravação, divulgada ontem pelo PT, o ministro afirma que seu candidato é quem "pode falar do Bolsa Família e do Fome Zero" na cidade. "Se Lula estivesse aqui, estaria no meio de vocês, no nosso palanque." Múcio diz ainda que, naquele momento, falava "como ministro". O discurso foi levado ao ar pelo próprio candidato petebista na sua propaganda eleitoral de rádio e o presidente estadual do PT pediu a Berzoini que comunicasse Lula sobre o caso

Os 80% de aprovação do Governo Lula vem provocando nas hostes da Igreja petista alguns fatos curiosos. A petralhada pernambucana, ao que parece, acredita que Lula seja uma espécie de ser divino, a ponto de formalizar uma reclamação, quase uma fatwa, pela blasfêmia que foi citar o nome de Lula em vão feita pelo ministro das relações institucionais do governo... Lula, José Múcio.

Como eu já avisava, Múcio e Monteiro são oportunistas e nunca serão aceitos - pelo passado liberal que desprezaram - como iguais na seita que por oportinismo, abraçaram.

Nenhum comentário: