21 agosto, 2008

Contra a direitite e a esquerdopatia, só se vacinando com a verdade e a lógica!

A internet é o último refúgio da liberdade. O aforismo não é meu, mas de um ministro de STF. A internet também é um terreno fértil para espalhar mentiras e fazer sensacionalismos. Quantas patetices encontramos todos os dias em blogs, e-mails, homepages, enfim, no ambiente virtual? Há muito tempo, escrevi que a esquerda sempre conta com a preguiça e a ignorância dos internautas para disseminar suas esparrelas e mistificações pela internet com o objetivo claro de demolir reputações ou achincalhar propostas, idéias e valores que não rezam pelo seu catecismo.

Até então, essas mentiras que circulam pela rede tinham origem esquerdopata e pegavam os ingênuos, os crédulos, os ignorantes e os preguiçosos. Hoje, contudo, recebi por e-mail um aviso alarmante, supostamente científico e com uma lógica fajuta. O que me surpreendeu não foi a informação mentirosa, mas a pessoa que me repassou. Sempre a tive e ainda a tenho em alta conta, por isso, causou-me espanto que ela tenha caído nessa esparrela, que, suspeito, tem origem numa doenç
a chamada direitite.


A informação falsa.

No e-mail que que recebi, há a seguinte denúncia, assinada por um tal de Júlio Severo, contra o ministério da saúde:

"Por causa de somente 17 casos de rubéola em bebês em gestação por ano, ministro pró-aborto do Brasil quer a vacinação forçada de 70 milhões de brasileiros, mesmo em quem já teve a doença e em que já foi vacinado. Quais os reais interesses por trás de tal atitude?"


"De 9 de agosto a 12 de setembro de 2008, toda a população de homens e mulheres na faixa etária dos 12 aos 39 anos no Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso, Rio de Janeiro e Rio Grande do Norte será obrigada a ser vacinada. Será a maior vacinação na história do mundo. Qual o motivo de uma vacinação tão grande contra uma doença que não é mortal nem representa risco para a vasta maioria da população do Brasil"?

Oficialmente, foram registrados, ano passado, 8407 casos da rubéola no Brasil. 70% desses casos foram em pacientes homens. Ora, afirmar que no ano de 2008 só foram registrados 17 casos, é uma mentira estatística.

A rubéola é muito perigosa para mulheres que estão no início da gestação pois compromete o desenvolvimento do feto e pode causar malformações ou algum tipo de deficiência na criança, por exemplo. Vacinar homens e mulheres é uma medida profilática e só foi tomada por causa do recrudescimento de surtos da doença no país. Simples assim.


O articulista expõe seus delírios estapafúrdios acusando até a ONU e o Unicef. É uma típica teoria conspiratória. O governo brasileiro, mancomunado com a ONU e o Unicef, estariam enganando a população, pois essa vacina é um estratagema para o controle da natalidade no Brasil, pois traz, como efeito colateral, a esterilidade, acusa Julio Severo.

No Brasil, Severo? Acaso você não leu que a taxa de fecundidade da mulher brasileira atingiu a marca de 1,8 filhos por mulher, desativando a nossa "bomba" demográfica? Chegamos a esses números, oh bocó, sem a interferência direta do governo, nem com vacina (hehehehe).

De forma capciosa e revelando traços de prestidigitação, Júlio Severo induz o leitor a acreditar que em 2008 apenas 17 casos de rubéola foram confirmados no Brasil. Mentira! Os números já passam dos 1000, isso oficialmente. Os 17 casos, deturpados por ele, foram de bebês que nasceram com a SCR (Síndrome da Rubéola Congênita) e mesmo assim, só no Estado de São Paulo. Manipulando os números, ele pergunta se por causa de 17 casos justifica-se a vacinação em massa. É um tolo! Um estúpido! Há quanto tempo se promove a vacinação contra a poliomielite? Há quanto tempo não se registra um único caso dessa doença no Brasil? Eu digo, há quase 20 anos! E por que a campanha continua? Porque em outros países o vírus da pólio ainda atua e se ainda atua, não se pode interromper as campanhas de imunização. A rubéola, Mané, precisa ser controlada, porque ela pode espalhar-se e aí sim, os bebês - que você diz defender, quando nascerem, se vierem a nascer, é que terão problemas sérios.

Em seu artigo, o cerne do argumento dele é a desconfiança que ele tem de José Gomes Temporão, taxado de ministro pró-aborto. Na cabeça perturbada de Júlio Severo, cujas madeixas volumosas dão um ar meio juvenil ao moço, o ministro Temporão, que é a favor da descriminalização do aborto - o que é muito diferente de ser a favor do aborto - não pode, de verdade, estar preocupado com fetos que sofrerão conseqüências graves por causa da rubéola, uma vez que ele não gosta dos bebês. Eis a tese de Júlio Severo! Esse moço é um mimo! Conheço muita gente que é favorável ao aborto e que tenho certeza absoluta que não apóiam ou apoiariam qualquer medida de esterilização em massa.

Em
seu artigo ele exibe alguns links em português, em inglês e em espanhol, todos muito longos, pois ele conta com a preguiça dos leitores bobocas. Num deles, ele tenta provar que em 2006 numa campanha de vacinação na Argentina, havia, na vacina aplicada na população, componentes que impediam a gravidez. A fonte? Um estudo sem nomes, endereços ou detalhamentos dos testes, enfim, uma falsificação.


A história é toda rídicula e não valeria muito a pena perder tempo com ela não fosse pelo potencial letal que um boato dessa natureza pode causar nas pessoas. O sucesso de uma mentira, por mais estúpida que ela seja, é justamente não ser confrontada com a verdade. Quando se dá conta, ela - a mentira - já ganhou status de verdade e aí, todos perdem.

Um comentário:

Lelec disse...

Olá Zé,

Parabéns pelo excelente texto e por desmascarar uma bobagem tão grande.

Não vou nem comentar o perigo e o risco da rubéola e a necessidade de vacinação.

A internet é mesmo o meio propício para proliferação das besteiras mais bizonhas.

É também o palco de uns direitistas desmiolados que não sabem fazer oposição e que satanizam toda e qualquer iniciativa do governo Lula, mesmo quando a ação comportamental é boa. O ministro Temporão tem sido alvo desse tipo de gente. Reinaldo Azevedo não cansa de satanizar o ministro. É incapaz de entender que ele faz, sim, boas coisas.

Definitivamente, a idiotice tacanha não é apanágio só dos esquerdopatas. Há também muita gente imbecil na direita...

Abração,

Lelec