02 agosto, 2008

"A cada enxadada, uma minhoca"




Que os militantes de esquerda em geral e os petistas em particular sempre tiveram simpatia, quando não, uma especial admiração pelas Farc, é indubitável. Que muitos professores, pesquisadores, doutores, pessoas sempre cheias de boas intenções, defendiam em suas aulas, artigos, entrevistas e palestras, as ações das Farc, é outro ponto do qual ninguém duvida. Que políticos expressivos do PT defendiam os bandoleiros da Colômbia, é público e notório. Mas o que surpreende é que eles mantivessem um contato estreito, de colaboração, com a narcoguerrilha.

A revista colombiana Câmbio, desnuda o que chamou de dossiê brasileiro e revela e-mails de dirigentes das Farc onde se constata a aproximação de altos funcionários da República com os terroristas

A linha de defesa do governo já começou, como de praxe, nos setores da imprensa que estão sempre prontos a endossar, por mais inverossímeis que sejam, a versão do governo. Veja como um jornalista comenta a revelação da revista colombiana:

“A partir do conteúdo dessas mensagens eletrônicas, a revista construiu o que batizou de “O dossiê brasileiro.” Quem lê a introdução fica de cabelos hirtos. Começa assim: “O computador de Raúl Reyes revela que os vínculos das Farc com altos funcionários do governo do Brasil, entre eles cinco ministros, chegaram a níveis escandalosos.” Avançando-se na leitura, percebe-se que a reportagem, que ecoou nas agências internacionais, não chega a justificar o estrépito da introdução.”

Calma lá, sr. Jornalista. Então, a proximidade de autoridades do governo brasileiro com um grupo, vá lá, guerrilheiro, que seqüestra, trafica, mata e que prega a luta armada contra um governo democrático e constitucional, não é um escândalo? Então, meu Deus! O que será um escândalo para o jornalista?

Os e-mails relatam uma proximidade com gente do PT ou que mantém uma grande simpatia pelo partido. Leiam esse trecho:

No texto, um “Cura Camilo” ainda inquieto com a possibilidade de ser extraditado para a Colômbia relata encontro que mantivera com o procurador da República Luiz Francisco de Souza. Personagem conhecido. Algo folclórico. Simpático ao PT, infernizou a gestão FHC com um sem-número de ações. “Cura Camilo” contou: O Luiz Francisco “me deu o seguinte conselho: andar com uma máquina fotográfica e, se possível, com uma filmadora, para, em caso de voltar a ser parado por um agente de informação, fotografá-lo e gravá-lo, tendo o cuidado de não permitir que o agente agarre a máquina ou a filmadora. Que, em relação com o sucedido, façamos uma denúncia dirigida a ele, como procurador, para fazê-la chefe da PF e à Abin.”


Veja outros e-mails divulgados pela revista Câmbio:

1 - “É possível que me visite um assessor especial de Lula chamado Selvino Hech, que, junto com Gilberto Carvalho, foi outro que nos ajudou bastante.”

2 - "Estive conversando com a deputada federal Maria José Maninha [PT-DF]. Combinamos que vai me abrir caminho rumo ao presidente via Marco Aurelio García."


3 – "Por intermédio do lendário líder do PT Plínio Arruda Sampaio [hoje no PSOL], chegamos a Celso Amorim...”
“...Plínio mandou nos dizer [...] que o ministro está disposto a receber-nos. Que tão logo tenha um espaço em sua agenda nos recebe em Brasília.”

4 “Chegou um jovem de uns 30 anos e se apresentou como Breno Altman (dirigente do PT), me disse que vinha da parte do ministro da presidência José Dirceu...”

Disse “que, por motivos de segurança, eles haviam combinado que as relações não passariam pela secretaria de Relações Internacionais, se dariam diretamente, através do ministro, com a representação de Breno."

comento:

É inverídica a atuação pessoal da ministra da Casa Civil, Dilma Roussef, na contratação da mulher de Olivério Medina, um “embaixador” das Farc no Brasil? Por que a ministra mais poderosa do governo se empenharia tanto para empregar uma "desconhecida" no terceiro escalão do governo?

Os ingênuos e os cínicos, retrucam: "há algum e-mail desses assessores, ministros, políticos, procuradores para os dirigentes das Farc"? Não. Petista só deixa rastro em se tratando de grana. Mas a verossimilhança é impressionante. Ademais, não custa solicitar dos personagens citados na reportagem se confirmam ou não os relatos dos e-mails. É provável que neguem, mas aí, basta aparecer uma prova de que os e-mails são verdadeiros e os relatos também, para os personagens terem que se desdizer.

Aliás, o governo já sabia dessa bomba, desde que os computadores de Raúl Reyes foram apreendidos quando da ação do exército colombiano no Equador, que gerou todo aquele incidente diplomático. Tanto, que o chefe do gabinete presidencial, Gilberto Carvalho, sugeriu que a história fosse divulgada, aos poucos, sob o controle do governo; mas Marco Aurélio Garcia, aquele do Top, Top, foi contra e conseguiu convencer o governo a evitar a divulgação da história.

Soou estranho que nas últimas semanas, o presidente Lula, o ministro Celso Amorim e o nefasto Marco Aurélio Garcia procuraram, com declarações, afastar-se das Farc. Pois é, agora se sabe porquê.

ps: O post estava nos arquivos. Aos poucos, alguns personagens citados nos e-mails, como Breno Altman e Gilberto Carvalho, confirmam que mantiveram contato com as Farc, mas apnas para ajuda humanitária, nada de política. O único, até agora, que nega a colaboração e insinua que os e-mails são uma armação, é o Top, Top, Marco Aurélio Garcia.

2 comentários:

Ricardo Rayol disse...

No mínimo irão usar a velha desculpa que não sabem de nada ou que o jornal que divulgou é financiado pela direita americana. Quanto a ser escandaloso ou não acredito que nem meia duzia de mulheres peladas sobre a mesa do Lula impressionam mais.

Lelec disse...

É assim, Zé: primeiro, vão dizer que tudo é invenção da elite branca paulista, apoiada pela Abril e pela Globo.

Depois, quando não puderem mais negar a veracidade das provas, vão dizer que as FARC são partidos democráticos com fins humanitários.

Dá nojo ver a argumentação dessa corja. Nem assumem o que defendem.

Abraço,

Lelec