23 julho, 2008

Inflação é isso! 2

Sobre certos assuntos, um político com cargo executivo deveria adotar aquela atitude blasé de diplomatas que costumam falar muito e não dizer nada. Em assuntos espinhosos, onde uma declaração atabalhoada ou frívola pode ameaçar esforços da área técnica do governo, um político com cargo executivo deveria limitar-se a prestigiar sua equipe, dando provas inequívocas de que confia no trabalho que está sendo feito.

Hoje, a taxa selic deve subir 0,5%. Alguns analistas prevêem uma subida maior, mas poucos arriscam que o Comitê de Política Econômica manterá a taxa selic nos atuais 12,25% a.a. Diante dessa nova alta dos juros (essencial para mostrar ao mercado que o Banco Central tem como prioridade o controle da inflação) o presidente Lula deitou falação, e como de hábito, falou um monte de bobagens. Vejam o que ele declarou esta tarde, segundo o jornal O GLOBO.

"Não vou diminuir o consumo no país. Vamos garantir custe o que custar. Tá na hora dos pobres ocuparem um lugar de destaque" Mais adiante, as tolices continuam: "Combater a inflação é quase uma questão de honra do governo. Se alguém acha que a inflação vai voltar, que nem já aconteceu, pode tirar o cavalo da chuva."

Em primeiro lugar vamos analisar o discurso em si. Lula se acha tão soberano que afirma ser ele o detentor do poder de aumentar ou diminuir o consumo dos brasileiros. Assim, é ele que não vai deixar a inflação subir. É ele que vai impedir a queda nos investimentos.

O preocupante, contudo, é a abslotua ignorância do presidente sobre a origem desse surto inflacionário. O Presidente não tem a menor idéia das causas da inflação, porque se tivesse não falaria a estupidez que está acima.

Existem duas causas básicas para a inflação: inflação de demanda e inflação de custo. Quando houve uma elevação dos preços dos alimentos no mundo, tinha-se claramente uma inflação de demanda( a procura por alimentos era maior que a aoferta de alimentos). Ao lado disso, os sucessivos recordes no preço do barril de petróleo contribuíram para a elevação dos preços, configurando-se uma inflação de custos. Esses fatores independem da vontade do presidente Lula ou de qualquer governo. cabe ao governo, isso sim, adotar políticas que minimizem esses fatores inflacionários combatendo-os com seriedade e transparência não com discursos idiotas como o desta tarde.

Se é verdade que uma maior demanda por alimentos e o alto preço do barril de petróleo contribuem para esse efeito inflacionário no mundo, não é menos verdadeiro que os excessivos gastos do governo Lula e a ampla oferta de crédito - medidas responsáveis pelo aquecimento da economia - estão no cerne desse atual processo inflacionário pelo qual passamos. Por isso, uma das medidas mais óbvias para conter a persistente elevação dos preços é encarecer o dinheiro, isto é, aumentar os juros e assim desestimular o consumo, diminuindo o papel-moeda circulante e debelando a inflação.

Quando o presidente Lula afirma que o consumo não vai diminuir, custe o que custar; ou está sendo mentiroso ou apenas ignorante. É IMPOSSÍVEL controlar a inflação mantendo o nível de consumo alto. E por isso, a Taxa Selic vai subir mais um pouco após a reunião de hoje. Ao fazer declarações como essa, o presidente Lula corre dois riscos: o de ser levado a sério e mostrar para o mercado que o governo não está tão empenhado assim no controle da inflação; ou o de não ser levado a sério e assim assumir o papel de um presidente patético, cujas declarações não merecem crédito.

Atualização (19:35)

Segundo a Folha, o Comitê de Política Econômica elevou a taxa selic em 0,75%. Portanto para esse mês a taxa básica de juros será de 13%. O recado ao mercado foi dado.

Um comentário:

Ricardo Rayol disse...

reduzir gastos e estimular o consumo via redução de impostos nem pensar