11 julho, 2008

Imparcial... Sei!

Há algo que não suporto no ser-humano: aquele ar angelical, de bom-moço, de quem se julga acima das divergências e das preferências ideológicas. Não há nada mais canalha do que a afirmação: "não sou nem grego, nem troiano".

Toda vez que uma voz pausada, articulada, mansa, com ar professoral vem com esse papo de que está acima do bem e do mal, de que é neutro, tenha certeza: trata-se de uma picaretagem! Quando me deparo com um bocó esquerzóide, lamento pelo seu discurso anacrônico, pueril e estúpido. Para um bocó de esquerda, a Mídia é a encarnação do mal, o capitalismo é o sistema desgraçado e o nosso consumismo, responsável pelo aquecimento global. Esse discurso seduz adolescentes, gente sem muitos meios de resistir à tamanha doutrinação, mas com o tempo, o adolescente amadurece, aprende em outras fontes e, finalmente, livra-se dessa bobagem esquerdopata. Claro que há aqueles que apesar de envelhecerem e por pura preguiça intelectual, continuam, mesmo com os cabelos esbranquiçados, pensando e falando como se fossem adolescentes. Para estes concedo minha comiseração, apenas.

O que me incomoda é um outro tipo de idiota de esquerda. Aquele que diz que não é de esquerda, mas acha que a Mídia – sobretudo a Rede Globo e a Veja – conspira contra os verdadeiros interesses populares. Não é de esquerda, mas endossa o cerceamento da liberdade de expressão em nome dos interesses dos mais pobres. Não é de esquerda, mas tem aquela visão romântica a respeito dos pobres, isto é, considera-os, a priori, pessoas do e de bem e que só estão na miséria porque há ricos, muito ricos, no mundo. Nem se questionam se esses ricos conquistaram essa riqueza com trabalho. Não é de esquerda, mas doutrina a juventude no antiamericanismo bocó, demoniza o lucro como coisa de insensíveis e cúpidos e chamam de movimentos populares o MST e outros do gênero.

Querem mais um exemplo? Do que se acusa a Veja e a Rede Globo? De que são órgãos parciais, que atendem antes aos interesses dos grandes grupos privados do país do que aos interesses do povo. Já ouvi, mas de uma vez, a seguinte demonstração de ignorância – na melhor das hipóteses – de algumas pessoas: “o que me incomoda na Veja, Zé Paulo, é que ela só mostra um lado. A Carta capital, não. É uma revista verdadeiramente imparcial”.

Não é de hoje que o maior celeiro da militância esquerdopata é a sala de aula. Os pobres alunos tornam-se vítimas de professores “gente boa”, com boas intenções, naturalmente - com suas residências confortáveis e carros caríssimos – mas que mesmo assim, ou talvez por isso mesmo, vivem repetindo em sala, asneiras e fanfarronices contra o Capitalismo e a Mídia. Para essa malta, Mídia boa é aquela que publica o que eles querem ler ou que esteja na contra-mão de Veja ou da TV Globo. É por isso que muitos idiotas tecem loas a Record e à Carta Capital porque enxergam nessas empresas aliados na luta contra a Globo e à Veja.

Estou defendendo a Globo e a Veja? Não. Só estou mostrando que dar à suas concorrentes um atestado de lisura - porque são suas concorrentes - é estupidez, burrice, ignorância, mais: é cinismo! Imagine, leitor, se a revista Veja, que tem mais de 1 milhão de assinantes, desse aos filiados de DEM ou do PSDB um desconto de 50% na assinatura da revista. Em pouco tempo os bocós esbravejariam contra o conluio entre uma revista de direita e partidos de direita. Seria, para eles, a prova de que estariam – a revista e os partidos – mancomunados contra os interesses do povo. Pois saibam, meus amigos, que a revista Carta Capital, mesmo com uma tiragem pífia, é a revista semanal que recebe mais recursos públicos em relação às outras. Saibam, meus amigos, que a revista Carta Capital, a imparcial e idônea, acaba de lançar uma promoção para os FILIADOS DO PT, dando a eles 50% de abatimento no preço da assinatura. Esse dado seria o bastante para, no mínimo, se desconfiar da idoneidade da revista, não é? Não para um esquerdista. Os malvados, os criminosos, os corruptos, nunca são de esquerda, não é?

A Veja é um lixo? Para 1 milhão de assinantes, não. Mas há quem a considere assim, é um direito. Agora, vir para cima de mim com esse papo de mané que a Carta Capital é imparcial, é o que não dá para engolir.

Um comentário:

Lelec disse...

Excelente texto, Zé Costa! É difícil mesmo conversar com essa gente que diz que "a" verdade está sempre do lado deles.
A propósito, lembro-me de uma citação de Nelson Rodrigues: "o ser humano é capaz de muitas coisas, até mesmo de uma boa ação; só não é capaz de uma imparcialidade". Ah, Nelson Rodrigues, esse reacionário...

Abraço,

Lelec