11 junho, 2008

VarigLog, depoimentos e grosserias.

Acabei de ouvir, em off, mas que foi captado pelos microfones da sala onde funciona a comissão de infra-estrutura do senado, do asqueroso senador sem votos, Wellington Salgado (PMDB -MG), com seu humor frívolo, chulo e covarde, o seguinte chiste: "Esse charuto é para a Denise?" Repetiu várias vezes.

Denise Abreu, que em seu depoimento que durou cerca de dez horas na CI do senado, manteve TODAS as afirmações que fizera à imprensa e ao Ministério Público, ou seja: afirmou que foi pressionada pela Casa Civil para fechar um acordo que beneficiava os sócios da Volo; que o escritório Teixeira Martins, cujo proprietário é Roberto Teixeira, compadre de presidente Lula, foi de uma imoralidade que se transformou em ilegalidade, na pressão que fez a favor do fundo americano Matlin Patterson que tinha três sócios brasileiros, ao que tudo indica para dar ares de legalidade na transação;em outras palavras: eram laranjas.

Os governistas, todos, com estilo e nuances diferentes de grosseria e ironias chulas, tentaram desqualificar as afirmações da ex-diretora da Anac. A dra. Denise Abreu, em todas as situações em que foi vítima das grosserias dos governistas, saiu-se com altivez, calma e ponderação. Não deixou qualquer pergunta sem resposta. Seu depoimento foi tão acachapante que não restou aos governistas senão o argumento de que a operação foi validada pelo juíz Luiz Roberto Ayub, decisão de primeira instância, incapaz, portanto, de gerar jurisprudência.

Qual a busílis da questão? O suspeitíssimo tráfico de influência da ministra Dilma Roussef em favor dos sócios que eram assessorados por Roberto Teixeira, compadre do presidente Lula; a atuação suspeitíssima do escritório de advocacia Teixeira Martins nas figuras da dra. Waleska e outra filha de Roberto Teixeira, ambas advogadas do escritório; e finalmente, a razão pela qual a Variglog foi vendida pela proposta menor, oferecida pela Gol, enquanto a TAM havia proposto 478 milhões de reais a mais.

O depoimento dos demais ex-diretores prossegue. Milton Zuanazzi e o Dr. Lemanto também vão falar. Devem negar a pressão.

Um último ponto: o governo, através do líder Romero Jucá, negou a acareação entre Milton Zuanazzi e Denise Abreu. Como se vê, o governo que mesmo esclarecer tudo.

2 comentários:

Cejunior disse...

O mais lamentável é que esse senador sem educação é dono de uma universidade em São Gonçalo, com "filiais" em vários estados...
Puxa vida...que exemplo...

Lelec disse...

Há muita sujeira por parte do tapete. Esses donos da Gol têm o rabo preso. Vale lembrar que eles estão envolvidos também com o Joaquim Roriz...

Abraço,

Lelec