13 abril, 2008

Aquecimento Global é para trouxas.

Zé Paulo é do contra! Zé Paulo é um reacionário, neoliberal, capitalista, direitista, homofóbico, misógino! Eis como algumas pessoas me qualificam pensando que com esses adjetivos me ofendem. Ofender-me-iam se me chamassem de esquerdista, petista, socialista, aí sim, eu ficaria bravo!

Alguns sabem que não dou pelota para esse papo politicamente correto de "aquecimento global". Acho toda essa história uma balela que tem mais de esquerdofrenia que de ciência. As viúvas do socialismo apegaram-se ao "ecologismo" como a derradeira bandeira contra o capitalismo. Criou-se a idéia de que o desenvolvimento econômico, as atividades industrais, o uso de combustíveis fósseis, o desmatamento, enfim, a ação humana, é a PRINCIPAL causa do aquecimento global. Pronto! Professores gente boa, ONG's que só querem o bem comum e dinheiro público, estudantes que plantam uma muda, tiram uma foto e voltam para casa com a sensação de que fizeram a sua parte, pululam em todo canto, afinal, além de chique, é nobre dedicar-se ao combate do aquecimento global. E, no entanto, o aquecimento global, antropogênico ou não, é uma INVENÇÃO! Leiam a entrevista, abaixo.

ESFRIAMENTO GLOBAL 13/04/2008 15:21
Cientista da Ufal diz que o homem não muda o clima e que o Protocolo de Kyoto é ridículo

Divulgação
O ex-vice-presidente dos EUA ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 2007 por seus esforços contra o aquecimento global. Estava errado, segundo Molion

Por Renato Lima, de Economia do JC
Especial para o Blog/ JC Online

O cientista Luiz Carlos Baldicero Molion, diretor do Instituto de Ciências Atmosféricas da Universidade Federal de Alagoas, sabe que sua posição está na contramão dos debates sobre clima global. Mas reage citando argumentos e disposição para o debate. Ele é membro do Grupo Gestor da Comissão de Climatologia da Organização Metereológica Mundial, como representante da América do Sul. Graduado em Física pela USP, doutor em Metereologia e Proteção Ambiental pela Universidade de Wisconsin, EUA. Nesta entrevista, Molion afirma que não é o homem que muda o clima (seja para aquecer ou esfriar), diz que o CO² não pode ser visto como venenoso e ainda classifica o Protocolo de Kyoto como ridículo.

Jornal do Commercio - Para onde caminha o clima?

Luiz Carlos Baldicero Molion - Se eu tivesse que apostar, certamente eu diria que é muito mais provável que tenhamos um resfriamento do que aquecimento nos próximos 20 anos. O Oceano Pacífico é um grande controlador do clima global. Ele ocupa 35% da superfície terrestre. E nós sabemos que a atmosfera é aquecida por debaixo. As mudanças climáticas que ocorreram no século XX coincidem com o clima do Pacífico. De 1925 a 1946 e depois de 1977 a 1998, períodos quentes, coincide com o Pacífico Tropical também quente. E o resfriamento que ocorreu entre 1947 a 1976 coincidiu com o período em que o Pacífico Tropical esteve frio. Então o pacífico é um grande controlador. E a partir de 1999 o Pacífico começou a dar sinais de que está esfriando. Obviamente isso é lento, passa por um período de transição.

JC - E quando começa essa transição?

Molion - Pode já ter começado. O inverno no Brasil no ano passado já foi severo. Nas Serras Gaúchas as temperaturas já chegaram a 5º abaixo de zero. E o inverno tem sido rigoroso também no Hemisfério Norte, que desde dezembro do ano passado até abril deste ano está sofrendo conseqüências de um inverno severo, com recordes de acúmulo de neve. São temperaturas baixas no Canadá, inferiores a 50º abaixo de zero, a 60º abaixo de zero na Sibéria. E o inverno rigoroso na China, em que mais de 200 milhões de chineses estavam sem ter o que comer por conta do inverno.

JC - E o que causou o recente aquecimento?

Molion - Parte do aquecimento é do sol, pela variação natural da produção de energia. E parte também vem do fato de que muito desses termômetros que são usados para medir as temperaturas estão hoje em grandes cidades. Na década de 60 havia 14 mil estações medindo temperatura na terra. Hoje tem menos de 2.000. E essas reduções foram feitas em locais de difícil acesso. Por exemplo, a Rússia fechou muitas estações na Sibéria, que tem zonas frias. E muitas estações foram fechadas nas zonas rurais, devido a dificuldades de manter essas estações. As zonas rurais registram temperaturas de 2º a 5º mais baixas do que as temperaturas urbanas.

JC – A gente está detectando uma sensação térmica urbana mais quente, por ter menos árvores e ser mais urbanizado, mas não o clima global?

Molion Isso. Basta comparar com os dados de satélite, em que as temperaturas medidas abrangem áreas maiores. A tendência nos últimos anos é de 0,12º por década, dentro da variabilidade natural do clima. Jamais poderíamos atribuir esse aumento que houve às atividades humanas. O aquecimento global não é antropogênico, ele não é produzido pelo homem.

JC - A proporção que o homem produz de CO² não seria suficiente?

Molion - Certamente que não. Estima-se que os fluxos globais de carbono entre oceano, solo, vegetação e atmosfera seja da ordem de 200 bilhões de toneladas por ano. Como são estimativas, admite-se facilmente que tenha um erro de 10% nisso. Estamos falando de 20 bilhões. Vinte bilhões é 3 vezes mais do que o homem coloca na atmosfera hoje, que é de 6 bilhões. E 20 bilhões é 70 vezes maior do que o que o Protocolo de Kyoto se propõe a reduzir, que é apenas 0,3 bilhão. Quer dizer, o Protocolo de Kyoto é ridículo. Pode ser muito bom para a recuperação ambiental, mas do ponto de vista de efeito estufa, diminuição e controle do CO², o Protocolo de Kyoto é ridículo.

JC – Como a ciência, que busca uma verdade objetiva, pode divergir tanto neste momento, neste assunto?

Molion – Não sei. Talvez haja interesses por detrás disso. Interesses econômicos envolvidos. Talvez alguns cientistas aproveitem da situação. Alguns que discordam também não falam, temem que seus projetos sejam cortados, seus empregos perdidos. Enfim, parece haver uma série de razões que levaram a adoção dessa hipótese do aquecimento global antropogênico ganhar um corpo tão grande. A comunicação hoje é muito fácil e o homem gosta mais de catastrofismo do que outra coisa. Existe interesses, não é questão de divergência. Os defensores do aquecimento global se baseiam em argumentos que não têm base científica sólida. Mas como eles fazem isso? Muito simples: a verba para o estudo climático nos EUA era, há 10 anos, US$ 600 milhões. Hoje passa de US$ 4 bilhões. Qualquer projetinho que venha lá dizendo que isso pode ajudar a entender o aquecimento global antropogênico recebe o seu dinheiro. Pode haver interesse das próprias companhias de petróleo. Sabendo que o petróleo vai terminar a curto prazo, 20, 30 anos, então se diminuir o consumo agora estica o domínio deles e permite até elevar o preço acima de US$ 110 o barril. E pode haver até outros interesses dos próprios políticos, de ver nisso uma oportunidade de colocar mais um imposto, mais uma taxinha.

JC – Então quem mora na beira-mar de Boa Viagem, de Maceió e do Rio de Janeiro não precisa se preocupar de que vai ficar sob água?

Molion – Essas projeções de que o nível do mar vai subir de 20cm a 60cm são baseadas em cenários hipotéticos que jamais vão ocorrer. São resultados de modelos de simulação de clima que não são adequados para fazer previsão nenhuma. Na realidade, o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, o IPCC, não faz previsões. Ele faz projeções de cenários. De tal forma que esse aumento de 20cm a 60cm no nível dos mares é um mero exercício acadêmico. O que ocorreu nos últimos 100 anos foi que este nível subiu cerca de 13cm, mas existem muitas outras causas geológicas, como o movimento de placas tectônicas, do que certamente o ser humano. O ser humano é muito pequenininho em comparação com as forças naturais. Basta dizer que 71% da superfície terrestre é coberta por oceanos e 29% são continentes. Dos 29% de continentes, 15% são terras geladas, gelo e areia, desertos. Resta então ao homem apenas 14% para ele manipular. Desses 14%, metade é coberto por florestas naturais. O homem só opera em 7% da superfície terrestre. Não é possível que nesses 7% ele vá mudar o globo todo. Repito: não confundir conservação ambiental com mudança climática. A conservação é uma necessidade da espécie humana. E o CO² não tem nada a ver com mudança climática. Não confundir CO² com poluição. Quanto mais CO² na atmosfera, mais as plantas produzem.

Aqui, você acessa um vídeo que desmascara essa farsa.

9 comentários:

Thiago disse...

Oi Zé.

Eu teria cuidado pra levantar a bandeira da "farsa do aquecimento" tão rápido.

O fato é que os argumentos de ambos os lados são apresentados sempre de maneira tão tendenciosa que fica difícil encontrar um ponto aonde se agarrar.

O vídeo que vc recomendou, e que eu já havia visto, parece ter o mesmo valor que o vídeo do Al Gore, muita politicagem e muita ciência de botequim.

Da minha parte mantenho minha dúvida, aparentemente o planeta andou esquentando, agora, o que produziu isso é um assunto que definitivamente esta em aberto.

Agora, e já estou deixando este comentário enorme, uma pequena observação técnica.
Em dado momento o entrevistado fala sobre fluxo de CO² entre o oceano, solo vegetação e atmosfera.

Vale lembrar que vegetação não tem papel fixador de CO², a velha máxima da biologia é "tudo o que a floresta produz, a floresta consome", essa afirmação por si só tira a vegetação da equação acima e ainda mostra o quão ridícula é a idéia de créditos de carbono.

Abraços.

Fernando Sampaio disse...

Esse aquecimento virou uma nova religião dos sem-causa, Al Gore é seu apóstolo...
Esse povo não tem mais o que fazer, deviam investir dinheiro era em acabar com a pobreza, isso sim.

Zé Costa disse...

Sua cautela, caro Thiago, é típica daqueles que lidam com ciência. Sua desconfiança, para mim, tem mais crédio que os relatórios do IPCC, creia-me.

O planeta está com temperaturas mais quentes? Sim, mas isso sempre ocorre, isto é, sempre houve e haverá, creio,períodos de resfriamento de aquecimento. A questão é se o aquecimento atual é provocado pela ação humana, é disso que não estou convencido.

Hoje, se chove muito ou se chove pouco, se o mar avança ou recua, se as caravelas "atacam" banhistas no litoral de São Paulo, tudo é culpa do "aquecimento Global", quem sabe até o dossiê tenha sido por causa dele.

Santa disse...

Zé,

Fiz uma homenagem ao teu blog, através do "Premio 11 de Abril" ,criado pelo blogueiro venezuelano Alexis Marrero para distinguir blogs venezuelanos e estrangeiros que se dedicam à luta diária pela democracia. Um beijo.

Thiago disse...

Neste caso concordo com vc Zé. É fato que já ouveram inúmeros ciclos de aquecimento e resfriamento. Na última era glacial, inclusive, os humanos já andavam por essas bandas se não me engano.

De fato, o aquecimento global é usado pra explicar qualquer coisa hoje em dia. Não vou ficar nada surpreso se o usarem pra explicar o escândalo dos cartões corporativos rsrs.

Abraços.

PATRICIA M. disse...

Muito boa a entrevista. Obviamente eu sou do grupo que abomina os verdes. Nao acredito em aquecimento global, uso sacola plastica SIM, gosto de gasolina, e so reciclo roupa velha.

:-)

Ricardo Rayol disse...

Como essa bosta tem defensores e detratores vou aguardar o fim do mundo para ver quem tem razão ehehehehe

Zé Costa disse...

Espera sentado, viu, Rayol? (hehehehe)

Estou no seu mesmo time Patrícia, ao menos nesse assunto (hehehehe)

rosa disse...

Esta fácil de resolver, manda os eco chato e os eco-políticos, para uma ilha, sem nada que emita CO2, ou qualquer outra forma de poluição. Nos livra da metade dos problemas do planeta hehehe.

Abraços