07 fevereiro, 2008

Vamos investigar Cabral.

Romero Jucá, senador do PMDB e líder do Governo Lula no senado - nos tempos do tucano FHC ele também desempenhou essa função - protocolou um pedido de CPI para investigar a farra dos cartões. A intenção do governo é evidente, basta analisar a declaração do Ministro da Propaganda, digo, da Comunicação Social, Franklin Martins: "Ninguém colocará o governo nas cordas. Vamos abrir o suprimento de fundos desde lá atrás." A estratégia do PT e do Governo é aborrecidamente a mesma. Pegos com a mão na grana, sem ter como negar o ilícito, reagem: "Ei, nós roubamos, mas os outros também roubaram!". Como se isso inocentasse esses perdulários.

A Imprensa, exceção daquela cujos donos e empregados comem na mão do governo, não caiu na falácia da CPI proposta pelo governo. A oposição contra-ataca com um pedido de CPI mista, formada por deputados e senadores. Vamos ver quem leva essa parada.

Eu, por mim, investigaria sim o uso dos cartões desde 1998. Assim, ficará comprovada algumas coisas interessantes:

1- que foi somente a partir de 2003 - início do governo Lula, que esses cartões passaram fazer saques.

2 - que nos últimos 5 anos os gastos totais cresceram de maneira impressionate. Querem dados? ok.

"Foram de R$ 8,7 milhões em 2003; R$ 13 milhões em 2004; R$ 20,9 milhões em 2005; R$ 34,6 milhões em 2006; e R$ 78 milhões em 2007.

Quer dizer: em cinco anos os gastos com cartões cresceram pouco mais de 90%. Se comparados com os de 2006, os gastos em 2007 aumentaram 129%.

Estima-se que hoje cerca de 11.500 funcionários disponham de cartões.

O que está fazendo a festa da oposição até aqui é apenas a parte conhecida dos gastos disponível no site Portal da Transparência - 25% do total.

Ou seja: R$ 58 milhões dos R$ 78 milhões gastos no ano passado foram sacados na boca do caixa."

FONTE: Blog do Noblat.

O senador Demóstenes Torres do DEM de Goiás, de forma irônica, disse que aceitava retroagir as investigações até Pedro Álvares Cabral. O senador sabe o que diz. Nunca antes neste país, roubou-se mais e com tanta desfaçatez do que a súcia que hoje está lotada no Planalto e na esplanada.

Um comentário:

Ricardo Rayol disse...

ehehehe isso eu quero ver, pra mim é fisiologismo puro e barato. que nem a pinga que bebe o nobre apedeuta.