26 fevereiro, 2008

Isaltino, dança o créu para Fidel?

Que a juventude seja de esquerda, compreende-se, afinal, quem não fica comovido com a idéia de promover um mundo mais justo e menos desigual? Além do mais, o jovem ainda tem muito o que ler e o que estudar e quanto mais ele fizer isso, não tenho dúvida, a bactéria "Esquerdisinia pestis" fará menos efeito, até ser extirpada por completo. Costumo dizer que nem todo ignorante é de esquerda, mas todo militante de esquerda é ignorante. Por isso, os ignorantes, os sem estudo, os sem leitura, são as vítimas mais comuns do pensamento da esquerda.

Alguns, no entanto, nunca se curam desse mal. A bactéria, então, começa a provocar algumas alterações de caráter: a pessoa passa a mentir sem pejo; passa, de forma cínica, a defender facínoras como Che Guevara e Fidel Castro; passa a justificar o roubo do PT com o argumento de que os outros também roubavam, por isso tá tudo certo e tudo bem; passa a relativizar as mortes patrocinadas por Stálin, Fidel, Mao, Pol Pot e outros assassinos, com o argumento falso de que o capitalismo matou muito mais. Isso é mentira, mas se fosse verdade o que o esquerdofrênico está dizendo é que tudo uma questão de números: o socialismo matou, mas o capitalismo matou mais. Nada mais asqueroso. Leia qualquer artigo de um esquerdista e fique certo de que a primeira vítima dele é a verdade e, para tanto, falseiam a história.

Diretamente do blog do Jamildo, o deputado estadual pelo PT de Pernambuco, Isaltino Nascimento - um homenzarrão boa praça a quem conheci pessoalmente numa churrascaria em Piedade, na comemoração do aniversário de um amigo comum, que recebeu do deputado um mimo, isto é, uma camisa oficial do queridíssimo Sport Club do Recife - escreveu um artigo onde de forma cínica defende a ditadura de Fidel Castro. Leiam e constatem como um militante de esquerda é mentiroso e ignorante. Ele em vermelho. Eu em azul.

Muito se falou sobre Fidel Castro após sua renúncia à presidência de Cuba, na última terça-feira (19 de fevereiro).

Em todo o mundo, o que mais se destacou sobre o líder que por quase meio século desafiou o poderio dos Estados Unidos foi a sua pecha de tirano. Enquanto simpatizantes, também em várias partes do planeta, exaltavam-no como herói.

Esse debate ainda vai durar muitos e muitos anos, com posições apaixonadas de ambos os lados. Aqui acrescento a minha visão sobre o que considero o legado de Fidel Castro para a humanidade.

Oh, Isaltino, quer indicações de livros para você não falar tantas bobagens? Parece que você se formou na Unb e leu os livros da USP, cara! Cuba nunca desafiou os Estados Unidos, sua relevância para o Tio Sam esteve ligada à influência da URSS na ilha e à preocupação dos Estados Unidos de que as idéias socialistas, a partir de Cuba e com dinheiro soviético, não se difundissem na América Latina, isso na distante década de 60! De lá para cá, os EUA mantiveram o embargo pois não podem ajudar um país hostil e sem valores democráticos, mas não se preocuparam mais com a ilha. O fato de os Estados Unidos esquecerem o problema Fidel é só uma prova da irrelevância do ditador e de sua ilha. Quem vez por outra discursava contra o governo dos Estados UNidos era o assassino, na tentativa de resgatar o mito revolucionário.

Muitos simpatizantes? É mesmo? tirando os esquedocínicos do Brasil e da América Latina, ninguém mais defende o ditador. Nem os cubanos que fugiram, nem os cubanos que ainda permanecem na ilha. O regime acabou e, como Fidel, resiste como uma carcaça velha e apodrecida.


Apesar de toda crise democrática vivenciada, após tomar o poder, em 1959, Fidel Castro não apenas resgatou a ilha do domínio dos EUA, como a transformou em um local com os melhores serviços de educação e saúde pública do Terceiro Mundo. E isso não há como contestar. Assim, Cuba, que antes era um verdadeiro prostíbulo dos EUA, com jovens e idosos explorados, passou a ter dignidade."

Apesar de toda crise democrática? O que Isaltino defende é muito perigoso. Pode-se em nome de uma "justiça social" solapar os valores democráticos? Então, se um dia disserem: "Ei, vocês vão ter um sistema de saúde, acesso à educação e um emprego, mas para isso vocês terão que abrir mão de suas liberdades individuais, tudo bem?", as pessoas terão que aceitar? Não! Primeiro porque Cuba nunca teve esses índices sociais que a esquerdofrenia divulga. Antes de Fidel, Cuba tinha o 3° maior PIB da América Latina, depois de algumas décadas sob o regime socialista, caiu para 15°. É mentira que metade da população cubana era analfabeta, e sim 22 % da população. É mentira que Cuba tenha se transformado numa referência no sistema de saúde. Não acreditam? Vão lá tratar alguma doença, ora! Procurem saber como os médicos brasileiros se referem aos médicos cubanos que vêm, vejam só, fazer residência no Brasil.

Então, antes da revolução, Cuba era um prostíbulo dos Estados Unidos? É mesmo? E agora, na época de Fidel, não é o chamado turismo sexual o "negócio" que mais faz entrar dólares na ilha? Isaltino, vai ler, rapaz!

Em Cuba há problemas sérios causados pelo embargo norte-americano, mas não se pode dizer que haja desigualdades tão gritantes como as existentes no vizinho Estados Unidos ou, como aqui mesmo, no Brasil.

Desigualdades que geram ilhas de pobreza tão cruéis que fazem existir gente (aqui e nos EUA) comendo lixo e vivendo em extrema degradação, enquanto outros moram em fortalezas e usam helicópteros como via de transporte. Tudo isso gerado pelo "sagrado" capitalismo.

Os problemas em Cuba não são ou foram causados pelo embargo dos Estados Unidos, mas pela escolha do governo cubano em demonizar o país. O que é isso? chamam os americanos de fedidos, cúpidos, de tudo o que é ruim e ainda querem ajuda americana? Em que mundo esse povo vive?

Isaltino disse que em Cuba as desigualdades não são tão gritantes quanto nos Estados Unidos ou mesmo no Brasil; claro, lá a miséria é bem distribuída,a exceção são os dirigentes do PC cubano que desfrutam as regalias do poder, não é, Isaltino? Sugiro ao deputado, viver em Cuba. Já disse aqui: quem acha que um cubano que fugiu da ilha é um traidor, troque de lugar com ele. Isaltino, troque de lugar com um cubano que queira deixar a ilha, ninguém se importará com isso, aposto. Fica claro que o melhor dos mundos para Isaltino é que todos comam lixo, afinal seriam iguais na miséria, não é?

Fidel fincou seu nome na história mundial a partir do momento que resolveu investir em saúde, educação e esportes.

Com isso, obrigou outros países da América Latina a repensarem sua forma de tratar a população. Até mesmo os Estados Unidos foram obrigados a reformularem seu mundo capitalista e passar a trabalhar com políticas voltadas ao bem-estar social.

Reputo isso à fibra do homem que, aos 32 anos, desceu a Serra Maestra para derrubar o ditador Fulgencio Batista, e durante mais de quatro décadas foi um zeloso guardião do comunismo em Cuba.

Fidel fincou seu nome na história quando se tornou, em números proporcionais, o maior assassino da história. Nenhuma ditadura da América Latina matou, em proporção, mais gente que a cubana: 97 mil mortos, sendo deste número, 9.500 execuções sumárias, aproximadamente.

Olha a graça de Isaltino. Cuba obrigou os demais países da América, inclusive os Estados Unidos, a investir mais no social? Seria cômico se não fosse trágico! Fidel, um homem de fibra, que desceu da Sierra Maestra para depor Fulgêncio Batista e se tornar ele próprio um ditador ainda pior do aquele que ele apeou do poder em 1959.

Nem mesmo o colapso da União Soviética, em 1991, abalou Cuba, que superou uma de suas piores crises econômicas graças à aliança estratégica com o presidente venezuelano Hugo Chávez.

Aqui ele faz a defesa explícita de outro proto-ditador, o presidente Hugo Chavez. Dizem-me com quem andas que eu te direi quem és, diz um velho adágio popular.

Ninguém melhor do que o próprio Fidel para avaliar sua passagem pelo comando de Cuba: "Cometi erros, mas nenhum estratégico, simplesmente tático... Não tenho nenhum átomo de arrependimento do que fizemos em nosso país", afirmou recentemente.

Pela riqueza literária, a pérola acima bem que poderia ter sido dita por Lula, não acham? Erros? mandar executar 17 mil pessoas que divergiam do regime foi um erro? Não se arrependa Fidel, porque Marx, Stálin, Trótsky, Mao Tsé, Hitler, Pinochet, Mussolini e seu grande amigo, Che Guevara o aguardam no inferno.

Com a saúde precária desde 2006, quando se submeteu a uma cirurgia para conter uma hemorragia intestinal, Fidel ainda dá demonstrações de aguço estrategista.

Sua última jogada contra os Estados Unidos, que durante décadas tentou derruba-lo ou elimina-lo com ajuda da CIA, foi amarrar a sucessão ainda em vida.

Isaltino, rapaz, não delira! Os Estados Unidos estão se lixando para Cuba, mané! Malgrado seu e de seus congêneres de esquerda é que a ÚNICA chance de Cuba sair do atraso, é com a ajuda americana, mas para isso, claro, precisa antes se render, como disse o Mainardi.

Aos 81 anos, conseguiu fazer seu irmão Raúl, de 76 anos, novo chefe de Estado cubano, alimentando ainda mais a polêmica sobre seu modo de governar. No melhor estilo de quem pode ostentar o título de ser a última lenda viva da esquerda revolucionária.

Entenderam a piada? Fidel, o mão de ferro, o assassino sanguinário, o dono da ilha, "conseguiu" fazer o sucessor, como se houvesse uma disputa pelo cargo, como se a última palavra não fosse dele. Quem você pensa enganar, Isaltino? os trouxas de esquerda? os militantes de fralda, mesmo que geriátrica? Esses são estúpidos o bastante para cair na sua lorota.

A última lenda viva da esquerda revolucionária é a versão de Isaltino para a frase de Lula que disse semana passada que Fidel era o último mito vivo da história da humanidade. Os petistas gostam de frases bombásticas - tá, eles gostam mais de dinheiro público - que são um misto de nada com coisa nenhuma.

Isaltino, representa bem o que foi, o que é e o que sempre será o PT.

Conheça o digníssimo clicando ao lado (www.isaltinopt.com.br)

Nenhum comentário: