31 janeiro, 2008

D Matilde, já vai tarde!

O Brasil é mesmo um país machista. A imprensa burguesa e reacionária não dá trégua para a pobre ministra Matilde Ribeiro. Primeiro, invocaram porque a pobre ministra gastou num Free Shop quase 500 reais em presentes, usando para isso o cartão corporativo, cujo limite, a fundo perdido, é garantido pelo nossos impostos. Ora, quem já viu mulher se preocupar com valores diante de uma loja? Se a fatura, ainda por cima, for paga pelos outros, aí é tentação demais! Perdôo a ministra. Gaste ministra, aproveite a chance. Não se incomode com essa burguesia podre, que não admite o pobre, o negro, a mulher, usufruírem de alguma benesse.

O Brasil é mesmo um país racista. José Genoíno, Delúbio Soares, José Dirceu, Roberto Jefferson, José Janene, estes e muitos outros, lesaram muito mais os cofres públicos. A imprensa não pegou no pé deles, tanto quanto pega no pé da ministra. A ministra, negra, mulher, com ideais nobres de humanismo, como aceitar que um negro sinta ódio de um branco, será demitida porque foi perdulária com o dinheiro público. Se esse for o critério, quem sobra na Esplanada?

O que mais me incomoda nessa demissão é que para o governo, a sociedade e mesmo para a ministra, é muito pior ser perdulário que racista. Quando, no fim de março do ano passado, essa mesma senhora em entrevista à BBC Brasil declarou, para surpresa de muitos, que achava normal que um negro odiasse um branco, permaneceu no cargo, sem constrangimento.

Quando, uma ministra de Estado, cuja pasta deveria trabalhar pela igualdade racial, incita o racismo e nada acontece, nem uma advertência, evidencia-se que, em tempos de PT no poder, caminhamos para a desgraça moral das instituições.

Há mais ironias nesse caso. D Matilde não é a mais racista do covil do PT, nem a mais perdulária. Há gente ali, muito pior. D Matilde é um símbolo: mulher, negra, infância pobre - aspectos que muita gente de miolo mole acredita que formam uma pessoa de bem - D Matilde comprova que há mulheres perdulárias, sim. Há negros, também racistas. A pobreza, o gênero, a cor da pele não são garantias de hombridade, muito menos de seriedade na vida pública.

D Matilde já vai tarde. Muito tarde.

2 comentários:

Anônimo disse...

Eu, que pago minhas contas, me preocupo com valores diante de uma loja.
Mas eu trabalho duro pra ganhar meu dinheirinho...
Não sou negra, não tenho direito a cota...tenho que ralar.Ninguém paga minhas contas.

Regi@ne disse...

Muito bem fundamenta sua posição sobre o fato, gostei e me chamou bastante atenção a forma com que deixou bem claro o quanto os valores estão invertidos em nossa sociedade, infelizmente! Parabéns pelo teor do texto, demonstrou clareza e conhecimento sobre o assunto!