15 dezembro, 2007

Quem quer ir para Cuba?

Alexandre Belém/JC Imagem
Risco de deportação é cada vez maior. Depende da reação da sociedade!


Foi em julho de 2007. Eu e o Serjão tivemos, não um perrengue, mas uma percepção distinta sobre a deportação dos atletas cubanos que desertaram durante o Pan do Rio. Serjão enxergou no episódio uma ingenuidade dos atletas, eu, uma cafajestagem do governo. Numa coisa, contudo, nós concordamos: o paraíso comunista caribenho é tão idílico que todos, quando têm uma chance, tentam escapulir de lá.

Três músicos cubanos do grupo Los Galanes participaram, na minha saudosa Recife, de uma turnê de 6 dias, e quando o grupo em que eles tocavam se preparava para voltar para o conto de fadas socialista, mais conhecido como Cuba, não é que os três malucos abdicaram da justiça social da ilha caribenha para viverem no país mais desigual do planeta? Vai entender essa gente maluca!

Agora eu entendo porque nos países socialistas não há liberdade, nenhuma. Com liberdade, o povo submetido ao regime socialista já teria fugido há muito tempo. Conclusão: socialismo e liberdade, não combinam. Aos tolos e aos ingênuos que ainda sonham com um regime socialista, faço uma sugestão: ofereçam-se para trocar de lugar com os desertores cubanos. Podem abrir uma ONG que seria especializada em trocar o brasileiro bocó por um cubano que esteja doido para deixar a prisão, digo, a ilha de Fidel.

Bem, a Justiça Federal, da 5a região, em Recife, indeferiu o pedido de Habeas Corpus que o deputado Raul Jungman do PPS de Pernambuco fizera na última sexta-feira. Segundo o juiz de plantão, Gabriel Queiroz, os cubanos devem estar em situação irregular e, portanto, fora da lei. Os cubanos devem apresentar-se o mais rápido possível à Polícia Federal. Não é à toa que, segundo o advogado dos músicos, José Antônio Ferreira, os desertores estejam apavorados.

Será que a PF vai interrogá-los e descobrir que na verdade eles estão loucos para voltar? Será que eles serão deportados em menos de 72 horas? Será?

Para não me acusarem de reacionário, direitista, vendido, entreguista, fascista e etc. prestem atenção a mais um cubano que fugiu do paraíso caribenho e pediu asilo político aos Estados Unidos. Segundo o blog do Jamildo no JC on Line:

O apresentador de TV e comediante mais popular de Cuba, Carlos Otero, pediu asilo político aos Estados Unidos depois de conseguir entrar no país na semana passada pelo Canadá.

Em entrevista ao jornal americano de língua espanhola "El Nuevo Herald", Otero contou que "se sentia muito feliz porque há muito tempo planejava sair de Cuba".

"Não quero pedir mais permissão a ninguém para me expressar, me deslocar ao redor do mundo e fazer o que tenho vontade", disse o apresentador.

Otero tinha viajado para o Canadá com a família para supostamente organizar a gravação de seu programa de fim de ano que, pelo segundo ano consecutivo, seria realizado em Toronto.


"Na verdade, tratou-se de uma reunião para preparar minha deserção", confessou ele ao jornal.

"Passei dois meses esperando que me dessem permissão para viajar com meus dois filhos até que finalmente consegui", contou.

Censura

Otero ainda disse ao "El Nuevo Herald" que estava "cada vez mais difícil" trabalhar como comunicador em Cuba devido à "censura e à vigilância institucional".

Ele disse esperar que seus filhos possam crescer "com a oportunidade de estudar o que desejam, sem ter de concordar com o sistema onde vivem".

Sobre Cuba, o apresentador disse que o país "está parado no tempo" e que as pessoas estão à espera do que vai acontecer, com muita "incerteza sobre o futuro".

Otero, que vai se estabelecer em Miami com a família, disse ao jornal nesta quinta-feira que já havia recebido uma proposta de emprego no canal local AmericaTeVe.

Com 28 anos de carreira como apresentador e comediante, o cubano conduzia um dos programas dominicais de maior audiência no país: Carlos y Punto. A revista semanal era transmitida em horário nobre pelo canal Cubavisión.

Ainda segundo o "El Nuevo Herald", a notícia da deserção de Otero gerou uma "onda de reações" entre os cubanos, que comentavam com surpresa a decisão do ator.

PS: às 14:17, transcrevo um trecho interessante da entrevista do advogado José Antônio Ferreira à rádio Jornal de Recife, no Programa Geraldo Freire.

" Não é possível que novamente, depois de tantos anos, um novo Getúlio Vargas venha entregar uma Olga Benário às fantasias de um Hitler. É a mesma coisa. Um ditador, que Lula, com o lastro democrático que tem, com a profundidade democrática que tem, está caindo nessa fantasia de ser um líder na América Latina cometendo certos atos (sic)" (...) Ser líder da América Latina é bom. No entanto, não se pode fazer essas concessões a um ditador que teve seu momento histórico. Ocupou um grande espaço na história da América Latina, no entanto, envelheceu demais, pior: tornou-se senil"

Esse advogado não é bom. Raul Jungman, atentai, porque a julgar pela retórica desse advogado, os cubanos voltam ainda esta semana para a prisão caribenha.

Um comentário:

Ricardo Rayol disse...

Cara eu não quero, nem ninguém que eu conheça ehehehe