11 novembro, 2007

Rebeca Gusmão é lambari nessa piscina.

Eita que a produção do fim de semana anda a todo vapor. Desde que começou o imbróglio envolvendo a nadadora Rebeca Gusmão, a situação da atleta fica a cada dia mais complicada. No fim de semana, as notícias sobre o excesso de testosterona, acrescida agora sobre a fraude comprovada nas amostras de urina da atleta, fez as suspeitas recaírem sobre mais gente. Quando chegará nos figurões que dirigem a natação brasileira, não sei, mas que chegará não tenho dúvida.

No Correio Braziliense e no jornal O Globo, a atleta concedeu entrevistas em que nega o doping, mas não explica as amostras adulteradas dE urina que foram testadas após as vitórias no Pan do Rio. Segundo a nadadora, forças ocultas, cobiça e politicagem estariam por trás do problema. Questionada sobre nomes, a atleta se cala.

Hoje, o programa Esporte Espetacular da TV globo, exibiu uma matéria em que a "escolta" de Rebeca Gusmão, a ex nadadora Adriana Salazar, não conseguiu realizar o procedimento de praxe na coleta da urina da nadadora. Diz que foi impedida de entrar na sala do exame, assim não pode acompanhar o processo de micção da atleta. Quem a impediu? Perguntou o repórter. A ex -nadadora não soube precisar, mas citou dois nomes, ambos do complexo aquático Maria Lenk.

Até agora ninguém ligou o nome a pessoa. Mas no dia 20 de julho de 2007, durante o Pan, a atleta Joana Maranhão, que fora muito elogiada por seu desempenho nas olimpíadas de 2004 em Atenas fez duras críticas ao presidente da CBDA (CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ESPORTES AQUÁTICOS), Coaracy Nunes. Na época a atleta chegou a declarar que Coaracy Nunes só se importava com os resultados, as medalhas, não se preocupava com o desenvolvimento dos atletas. Em tom de desabafo disse à época: "Todo mundo tem medo de falar. Os outros (nadadores) têm patrocínio dos Correios e então não devem mesmo falar. Se eu tivesse, não falaria, porque ele (Coaracy) cortaria e me faria falta. É contraditório, mas é a verdade, não tenho por que mentir" Mais adiante ela foi ainda mais clara: "Em 2004 eu tinha tudo de que precisava. “Você quer vir para a minha casa passar um mês treinando aqui no Rio?” Até isso ele falava. Tudo mudou porque comecei a nadar mal. O que interessa a ele é medalha, ele não está nem aí para o tempo ou o progresso que você está fazendo." (fonte: JC on line)

Na época, respondendo às críticas da atleta pernambucana, o presidente da CBDA, depois de chamá-la de ingrata, elogiou o desempenho da equipe brasileira de natação e fez uma declaração que no contexto atual ganha uma dimensão suspeita. Disse Coaracy Nunes:
"Das 15 medalhas de ouro do Brasil, 8 são da natação. Isso é resultado de um projeto de quatro anos. Já esperávamos por isso. Esses meninos viajaram para todos os países e treinaram na altitude visando o Pan. Não são só as medalhas que contam, mas também os tempos que estão diminuindo"

Na reportagem do Esporte Espetacular, Joana Maranhão diz: "Eu conheço bem a índole da Rebeca, somos amigas. Ela é uma pessoa do bem e acredito que não seria capaz de fazer isso sozinha. Caso a fraude se confirme, espero que os verdadeiros culpados paguem por isso", sentencia.

Estou acusando o presidente do CBDA? Não. Estou apenas evidenciando que Rebeca Gusmão ganhou projeção, ficou famosa e promoveu a natação do Brasil, e, claro, os seus dirigentes. Isso certamente mexeu com a vaidade da atleta, mas também rendeu dinheiro para muita gente. Se as vitórias de Rebeca foram ilegais por causa do doping, estão investigando. Agora, o que fica cada dia mais claro é que se Rebeca errou, não errou sozinha.


3 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Bom, a mulher está um cavalo se é que me entende, se isso foi ou não provocado só deus irá revelar. Mas como no Brasil a sacanagem impera não duvido que ela tenha sido alvo de uma conspiração.

João Batista disse...

Rebeca não errou, acertou em cheio: um pouco mais de testosterona e ela morreria, um pouco menos e ela não teria ganhado a medalha. Como é que permitiram que ela participasse do evento? É obvio e patente que a mulher é dopada, e se o exame não acusou doping é obvio e patente que houve algum problema com o exame, no caso fraude.

Cejunior disse...

Mandou muito bem, CostaJr! Esse confusão toda é muito suspeita e, se você analisar bem, a Rebecca ficou com a pior parte, que era tomar as bolas (com um prejuizo incalculável para a saúde) e ganhar as medalhas!
Claro que tem uma quadrilha por trás disso tudo! Gente graúda, médicos, preparadores, "cartolas".
E só vão aparecer os culpados se a Rebecca botar a boca no trombone!!!
Um abração e boa semana.