23 outubro, 2007

O porco fedorento é exaltado no senado.

Existem duas invenções da esquerda que abomino de maneira particular: o discurso politicamente correto e quase sempre farsante que eles defendem e a falta de argumentos quando atacam veículos e reputações que não comungam de suas crenças.

Hoje, no senado, numa sessão solene pedida pelo senador José Nery, do Psol, o que se ouviu foram discursos que mais achincalhavam a matéria de Veja sobre o porco fedorento do Che Guevara, do que discursos que exaltassem as "virtudes" - sob a ótica da esquerda, é claro - do mito inventado pelo esquerdismo bocó. Senadores e deputados ocuparam a tribuna e vociferaram palavras de ordem e apupos pueris contra a matéria. Fossem pessoas comuns, estariam naquela patota que foi fazer seu alto de fé em frente à editora abril. Espanta-me que nenhum senador, mesmo medianamente inteligente, não tenha se levantado, pedido um à parte e feito as seguintes perguntas: o que a Veja publicou é mentira? "Che" matou ou não aquelas pessoas? Escreveu ou não que estava sedento de sangue? Determinou ou não a morte de um adolescente que havia pichado palavras de ordem contra o outro facínora, Fidel Castro? Executou ou não um compaheiro que havia roubado um pedaço de pão para comer? Se os deputados e os senadores que fizeram a pantomima de homenagear um assassino frio, responderem essas perguntas, vão perceber que a Veja só publicou fatos, e contra os fato - vou usar um clichê - não há argumentos.

O site G1 registrou assim, trechos dos discursos dos idiotas de Senado e da Câmara:

O senador José Nery (PSOL-PA), que solicitou a sessão de homenagem, foi o primeiro a falar. Afirmou que a sessão serviu para "honrar a memória do comandante no momento em que setores reacionários da imprensa fizeram ataques contra sua história".
O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) classificou a reportagem como uma "atrocidade à inteligência". "Muitos falaram sobre essa famigerada reportagem da revista 'Veja', que é de uma atrocidade à inteligência e que não foi nem levada em conta. Situo como mais um tiro no pé que a imprensa dá." Para o senador João Pedro (PT-AC), a "Veja" agiu com "estupidez". "É de uma estupidez o que a Revista 'Veja' fez. É um desrespeito porque é uma tentativa de desconstituir e desqualificar a luta da esquerda na América Latina e no Brasil. Não podemos concordar e temos que repudiar a postura da revista." A deputada Manuela D´ávila (PCdoB-RS) disse que a revista tentou "esvaziar" a imagem de Che. "Ele não é um ícone esvaziado. Nossa juventude reconhece em Guevara a rebeldia com causa, a luta por uma sociedade com justiça social. Haveria sentido em esvaziar alguém vazio de conteúdo. É evidente que não." Já o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) classificou a reportagem como "mal cheirosa". "A revista 'Veja' fez uma matéria meio mal cheirosa, destacando que aproveitaram da sua beleza física para torná-lo um ícone. Será que, para ser de esquerda, tem de ser feio, degenerado?"

Viram só? Nenhum falou que se tratava de uma mentira. Foram mais adjetivos que substantivos nas acusações contra a Veja. Reacionária, mal cheirosa, interesseira, estúpida, etc. Poderiam ter dito: mentirosa. Mas eles sabiam que não podiam acusar a Veja de mentir sobre "Che." O que incomoda essa gentinha é a verdade, eles não suportam a realidade. Outros acham um absurdo mexer na aura revolucionária de Che Guevara, que, segundo aquela deputada comunista, ainda é uma referência para a juventude. Só se for para a juventude que ela representa: a juventude bocó e desinformada.

Nem quando eu militava no ME (Movimento Estudantil) morria de amores por "Che." Sempre achei seu sonho muito sangrento para o meu gosto. Abomino Che, como abomino a suástica e a foice e o martelo. Tudo são símbolos do mal, exemplos do quanto o ser humano pode ser violento e cruel.

Um comentário:

Blogildo disse...

Sempre achei picareta quem tenta ficar com uma cara parecida com as pinturas de Cristo. Tirando os escritores da Bíblia, judeus e o próprio Cristo, sempre desconfiei de barbudos. Repare que a maioria dos petistas e outros esquerdistas são barbudos.