23 julho, 2007

Passageiro faz piada e Tam reage, e exagera!













Madrugada do sábado para o domingo no aeroporto dos Guararapes, em Recife. Passageiros da Tam com destino a Confins, em Minas, iniciam o procedimento de embarque. Todos instalados, bagagens de mão devidamente guardadas, cintos atados, aquele clima meio desconfiado, afinal era um avião da Tam, o empresário Rodrigo Meira pede a uma aeromoça, fones de ouvido. Os fones estavam falhando. O cidadão, que viajava junto com sua mulher, chama a aeromoça e comunica o fato, e aí, com uma boa dose de ironia, pergunta à comissária se os freios da aeronave também estavam falhando. Foi uma piada macabra, mas talvez tenha sido uma maneira de quebrar o gelo, dar um pouco de descontração ao ambiente. Foi pior. A comissária, atingida nos seus brios e defendendo a TAM, chamou o comadante, que irritado, exigiu que o passageiro deixasse o avião; ele, claro, disse que não sairia. Criou-se um constrangimento, um tumulto, a Polícia Federal foi chamada, e o passageiro, junto com sua mulher, saiu sem resistência.

A assessoria da TAM justificou a medida de expulsar o passageiro trocista, como adequada. Disse que : "... num momento de luto e dor este passageiro tente fazer uso de expressões e atitudes inapropriadas e constrangedoras". A atitude do comandante de chamar a polícia foi apropriada levando em consideração a gravidade da situação"

O passageiro fez uma queixa a Anac, e teve que esperar outro vôo da Tam. Às 16 h chegou a Cofins em outro avião da companhia.

Mais tarde, ainda em Recife, o vôo Tam 3491 com destino a Natal, foi cancelado por problemas na areonave. Os passageiros ficaram assutados quando o comandante , depois de realizar todo o procedimento de decolagem, informou que a abortaria porque o painel indicou uma falha técnica - seriam os freios? - mas não especificou o problema. O passageiro Vladimir Rodrigues questionou o que aconteceria caso o painel informasse o problema com o avião no ar. A tripulação ficou em silêncio. A TAM alugou um ônibus, embarcou os passageiros que chegaram a Natal por terra. Foi feita mais uma queixa na Anac.

Eu sinceramente não teria feito a piada que o empresário fez, mas tirá-lo do vôo? O pessoal da TAM, tripulação e assessoria, erram feio. Deveriam ter, fosse o caso, admoestado o passageiro, mas expulsá-lo do vôo? Que perigo ele representava? Quantos ali, não pensavam secretamente se estava tudo certo no avião da TAM? Qual o crime dele? Externar, ainda que ironicamente, uma angústia normal, sobretudo após o 17 de julho? Foi uma arbitrariedade. Temos agora que silenciar nossos temores? Não temos o direito de questionar?

o blog do Jc, do jornalista Jamildo, divulga hoje os "Mandamentos da Tam". Em 1997, o então comandante Rolim, dono da empresa, dizia que a política da Tam eram basicamente duas:

1ª Regra: O cliente sempre tem razão
2ª Regra: Se o cliente alguma vez estiver errado, releia a 1ª regra



Parece que entre essas regras não está o respeito a opinião dos clientes. Uma patetice da Tam. Ah, os 7 mandamentos da Companhia, são:

1º - Nada substitui o lucro
2º - Em busca do ótimo não se faz o bom
3º - Mais importante que o cliente é a segurança
4º - A maneira mais fácil de ganhar dinheiro é parar de perder
5º - Pense muito antes de agir
6º - A humildade é fundamental
7º - Quem não tem inteligência para criar tem que ter coragem para copiar.






8 comentários:

Cejunior disse...

CostaJr, acho que eu, no lugar do Rodrigo, informaria ao comandante que não estava brincando não. Se um simples fone de ouvido não funciona, estou no meu direito de questionar os freios, ainda mais depois dos últimos acontecimentos.
Além disso, a TAM tem se envolvido em um sem número de acidentes Brasil afora (exterior inclusive), devidamente abafados pelos agentes de viagem da ANAC.
Uma vergonha a atitude do comandante. Com c minúsculo mesmo!

Costajr disse...

No jornal da Band, o passageiro declarou que de fato, não brincava, pelo contrário, flou muito sério. Independente disso, a TAM errou feio.

Obrigado pela visita.

Blogildo disse...

O passageiro mandou muito bem! Estava corretíssimo! Concordo com vc, CostaJr! Foi uma bola fora da TAM.

Ricardo Rayol disse...

Cheguei a postar esse mandamentos mas achei tão bizarro que me cheirou a armação. O resto não sei. Expulsar pode parecer exagero mas fazer piada, mesmo com razão, não é certo.

Costajr disse...

Concordo com você Rayol. A piada, ainda que o passageiro negue, foi infeliz, mas ali cabia uma admoestação moral, não uma expulsão. A TAM foi arbitrária.

Fábio Max Marschner Mayer disse...

Perfeito!

Eu acrescento que a fiscalização das cias aéreas nacionais, que são concessões públicas, deveria ser feita pela ANAC.

A ANAC deveria ter procedimentos para fiscalizar a manutenção das frotas das companhias, mas não faz.

A ANAC deveria fiscalizar a lotação máxima das aeronaves, mas não faz.

A ANAC deveria verificar as planilhas de preços dos vôos, mas não faz.

Mas a ANAC administra taxas cobradas nas passagens, isso ela diz que faz...

Portanto, a TAM pode ter culpa no cartório, mas a ANAC também, porque quando alguém sabe que é fiscalizado, não abusa!

Suzy disse...

CostaJr, depois da chantagem do desgoverno pra cima da TAM, agora é que a companhia aérea vai extrapolar mesmo. Já tem garantida, pelo menos na ""palavra", que não quebrará.
Vergonha pura!

ANDRE disse...

Só digo uma coisa. QUE SAUDADES DA VELHA E AMIGA "NOSSA VARIG".