09 julho, 2007

Aquecimento Global em debate 2


Vejam como são as coisas: bastou eu mandar o link do vídeo sobre a farsa do aquecimento global para o professor João Martins, de Biologia, que também é dentista e já foi oficial do exército, que ele me responde com uma dica valiosa. Há um livro - este que ilustra o post, escrito em 1998 por um dinamarquês chamado Bjorn Lomborg, ex-ativista do Greepeace, chamado: O Ambientalista Cético. O livro em português já está disponível, seu preço é que uma catástrofe: 149 reais!

Neste livro, segundo resenha do site MidiasemMáscara.org, publicada em 12 de agosto de 2002, o autor faz uma série de críticas às previsões catastróficas que os ambientalistas do apocalipse fazem a respeito do aquecimento global. Utilizando dados estatísticos e relatórios da ONU e da WWF, entre outros; o autor, no minimo, põe em suspeição esse alarme apocalíptico a respeito do aquecimento global. Eu não conhecia o livro, o professor João mo apresentou ( esse mo, o professor Marcos Bagno não recomenda, hehehe). A seguir, um trecho da resenha. Para lê-la na íntegra, clique aqui

Afinal, que informações irritaram tanto os ambientalistas e os cientistas?

Entre outras coisas, ele afirma:

- Apenas 14% da floresta amazônica foi destruída.

- A redução das florestas é de 0,5% ao ano e não de 2 a 4%.

- A devastação de florestas não reduz a biodiversidade. Lombrog argumenta que as florestas dos EUA estão reduzidas a 1 ou 2% de seu tamanho original e só notou-se o desaparecimento de uma espécie de pássaro e ainda cita um exemplo brasileiro: só resta 12% da Mata Atlântica distribuída em grupos esparsos. Neste ponto, Lomborg afirma: "Segundo a regra utilizada pelos ecologistas, a metade das espécies deveria estar extinta. No entanto, quando a União Mundial pela Conservação da Natureza (UICN) e a Sociedade Brasileira de Zoologia, fizeram o recenseamento das 291 espécies conhecidas, nenhuma delas havia desaparecido. Podemos concluir com isso que as espécies são muito mais resistentes do que se imagina".

- Segundo a ONU, a produção agrícola no mundo em desenvolvimento aumentou 52% por pessoa.

- A ingestão diária de alimentos em países em desenvolvimento aumentou de 1.032 calorias em 1961 - o mínimo para sobreviver - para 2.650 calorias em 1998. E se prevê que aumente para 3.020 até 2030.

- A proporção das pessoas que passam fome nessas nações diminuiu de 45% em 1949 para os atuais 18%. Prevê-se que diminua ainda mais: 12% em 2010 e para 6% em 2030.

- Desde 1800, os preços dos gêneros alimentícios baixaram mais de 90%.

- O índice de crescimento da população humana atingiu seu pico, superior a 2% anuais, no início dos anos 60 do século 20. Situa-se hoje em 1,26%, e se prevê que caia para 0,46% em 2050. A ONU calcula que a maior parte do crescimento demográfico do mundo terminará em 2100, estabilizando-se pouco abaixo de 11 bilhões de pessoas.

- Lomborg afirma: "A poluição do ar diminui a partir do momento em que uma sociedade se torna suficientemente rica para se preocupar com o meio ambiente. No caso de Londres, a poluição atingiu seu ápice por volta de 1890. Atualmente, o ar nunca esteve mais puro e é preciso recuar até 1585 para encontrar uma qualidade de ar semelhante. Esse fenômeno pode ser generalizado para todos os países desenvolvidos".

- A expectativa de vida hoje é maior do que há 100 anos atrás.

- A pobreza diminuiu mais em 50 anos do que nos últimos 500.

- Há energia útil em abundância e petróleo para mais 150 anos.

- 20% das florestas foram perdidas para sempre e não dois terços delas como se supunha.

- 0,7% das espécies desaparecerá nos próximos 50 anos e não de 20 a 50%.

- A água está cada vez menos poluída.

Todos esses resultados são respaldados por organizações como a ONU, daí a dificuldade dos críticos em apontar informações falsas. Para Lomborg, os problemas existem, mas a sua dimensão é extremamente exagerada pelos ambientalistas e pela mídia, que não divulgam com a mesma consideração os problemas que já foram solucionados. Esta visão apocalíptica prejudica o progresso humano e favorece a credibilidade em ONG´s em detrimento das organizações empresariais. Lomborg questiona se a verdade está somente com as essas ONG´s.

Ele afirma que o aquecimento global é um fenômeno importante do ponto de vista ambiental, político e econômico. Não há dúvida alguma de que a humanidade tem contribuído para o aumento das concentrações atmosféricas de dióxido de carbono, e que isso provocará a elevação da temperatura. Mas, saber quais são as melhores atitudes a serem tomadas com relação ao futuro exige que separemos a hipérbole da realidade.

3 comentários:

PATRICIA M. disse...

Eh... Virou religiao, moda, eh cool, eh fashion, eh legal. Eh uma lavagem cerebral sem fim.

Vide showzinhos Live Earth espalhados pelo planeta. Quanto Al Gore ganha com isso? $$$$

Blogildo disse...

São os aquecimentistas santos dos últimos dias, como diria o R.Azevedo.

Anônimo disse...

CONTRA A TESE DO AQUECIMENTO GLOBAL ANTROPOGÊNICO

É certo que o "consenso científico" é MENTIRA:

http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2007/02/374113.shtml

http://www.jornaldaciencia.org.br/Detalhe.jsp?id=48404

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5869

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5930

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5953

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5972

É certo que cientistas que não creem no aquecimento global antropogênico foram falsamente citados como defensores dele:

http://resistir.info/climatologia/lindzen_rev2.html

É certo que os dados históricos sobre CO2 foram manipulados pelo IPCC:

http://portugues.larouchepub.com/outrosartigos/2007/0302_baixo_de_gore.html

É certo que o IPCC utilizou métodos duvidosos para refazer um gráfico histórico de temperatura:

http://resistir.info/climatologia/falsificacao_da_historia_climatica.html

É certo que os "verdes" tem usado sistematicamente de exageros e invencionices para obter poder político:

http://www.midiasemmascara.com.br/artigo.php?sid=5988