17 junho, 2007

Vestibular UNB 2

O item 32 está correto! Como já foi dito, o trabalho escravo na época moderna, estava inserido dento da lógica do capitalismo mercantilista. O tráfico de escravos, nos séculos XVII e XVIII, havia se constituído numa lucrativa atividade econômica. Foi justamente os lucros acumulados pelos traficantes ingleses nesse comércio, um dos fatores para acumulação de capital da burguesia inglesa que passou a investir esses lucros nas atividades industriais.

O item 33 está correto! Apesar de ser um item mais sociológico que histórico, ele lembra que no começo não havia interesse das elites em aceitar a miscigenação da nossa sociedade, contudo, essa miscigenação se impôs e hoje é aceita sem problemas. Lamento que a prova não tenha feito qualquer referência à Gilberto Freire, o primeiro sociólogo a valorizar o caráter mestiço da sociedade brasileira. Talvez porque o sociólogo pernambucano estivesse à direita do pensamento político, o que para a UNB é uma culpaimperdoável!.

O item 41 está errado! Com efeito, a ação dos bandeirantes, além de escravizar e matar muitos índios, serviu para expandir as fronteiras da colônia portuguesa da América para além de Tordesilhas. O erro está em associar essa ação ao apogeu econômico de São Paulo. Em primeiro lugar, a ação das bandeiras teve como causa a pobreza dos colonos da região; e em segundo lugar, o desenvolvimento de São Paulo ocorreu no final do século XIX, por causa da lavoura de café e mais tarde com a industrialização. Há outra informação errada no item: a de que a economia açucareira passava por um fracasso irreversível. Isso, nem de longe, ocorreu.

O item 42 está correto! Tanto a Confederação do Equador em 1824 quanto a Revolução Farroupilha em 1835-1845, foram reações ao centralismo do governo. No primeiro caso, Pernambuco revoltava-se contra o fechamento da Assembléia Constituinte de 1823 e contra a carta outorgada por D Pedro I em 1824. No segundo caso, os impostos, cobrados pelo governo regencial no Rio de Janeiro, esteve entre os motivos principais da revolta. Em ambos os casos temos, revoltas que lutaram por mais autonomia em relação ao governo central.

Caso especial

O item 43 não é de história, mas foi excelente. Muitos alunos me questionam que cobrar datas em História é um preciosismo. Em história, a variável tempo é fundamental. Mesmo assim, não costumo transformar a data errada, numa pegadinha. Eu não faço, mas a UNB fez! O único erro do item é o século. Gregório de Matos, poeta baiano, viveu no século XVII, não no século XV. Não esqueça que os portugueses aqui chegaram no último ano do século XV e a colonização de fato, ocorreu em 1530, ou seja, no século XVI.

O item 50 está correto! A Alemanha se unificou em 1871, após a Guerra Franco-Prussiana. Em poucos anos, o novo país tornou-se uma potência industrial e passou a reivindicar sua parte na divisão das colônias africanas e asiáticas, no final do século XIX. Aliás, essa disputa imperialista foi uma das causas da I Guerra Mundial. Quanto à Segunda Guerra Mundial, as ações de Hitler foram decisivas para a eclosão do conflito.

O item 51 está errado! A Argentina conquistou sua independência em 1816, antes do Brasil e do México, por exemplo. Apesar da indústria Argentina não ser nenhuma Brastemp, ela existe; tanto que um dos entraves para o avanço do Mercosul é o protecionismo da indústria platina em relação aos produtos brasileiros. Outro erro é afirmar que não há na Argentina uma expressiva classe média, além é claro da contradição em afirmar que há um proletariado forte e uma indústria incipiente.

O item 52 está errado! Esse item é um daqueles bem tolos. O Japão, socialista? Se o Japão tivesse adotado o socialismo, não seria a segunda economia do mundo hoje. Além do mais, no contexto da Guerra Fria, seria inadmissível que o Japão estivesse sob a tutela norte-americana e pouco anos depois adotasse o socialismo.

O item 53 está errado! Essa, o aluno antenado com as notícias atuais, mataria sem problema. As eleições presidenciais da França, ocorridas em maio desse ano, colocram no segundo turno o conservador Nicolas Sarkozy e a socialista Segòlene Royal. O embate e o debate foi bastante ideologizado, tanto na França, quanto no mundo. No fim, o eleitor francês mostrou que estava cansado das promessas vazias do socialismo e da candidata socialista.

2 comentários:

Malo disse...

Algumas dúvidas pessoais.

Sobre o item "A utilização sistemática da mão-de-obra escrava nas colônias americanas inscreve-se na lógica do capitalismo de base mercantil e foi importante para que, na Europa, avançasse o processo de acumulação de capitais, condição essencial para a futura revolução industrial."
Julguei-o como errado, pois Mercantilismo não é Capitalismo, não me parece correta a definição do mercantilismo como "capitalismo de base mercantil". São duas sistemas muito diferentes. Claro que depende de historiador, divirjam-se as perspectivas. O que o senhor acha?

Sobre o item "...República...RJ...vacinação obrigatória."
Julguei-o como errado pela sua afirmação da vacinação obrigatória como uma medida radical. Pois acho que foi uma medida precisa, necessária e adequada àquele contexto; isso acho. Qual é a sua opinião?

Sobre o item A Marselhesa... tztz.
Não sei identificar quando é uma "peguinha" e quando é um desatento do Vestibular. 1792, por A Marselhesa, é uma grande data, muitas fontes citam o nome da música junto com a data. Exemplo: "La Marseillaise, 1792". Pêlo no ovo... mas achei.


Estudando, vou me amadurecendo e envelhecendo, com um senso cada dia mais crítico e um cérebro cada dia mais resistente à lavagem. Já me basta a quantidade de informação para a prova do vestibular. Agora deixo muito mais questões em branco e com a máxima cautela julgo os restos... e erro. O quê estudar de humanas no próximo semestre, caro professor?

Obrigado.

* O senhor trabalha em qual escola?

Costajr disse...

O termo mercantilismo passou a existir no século XVIII quando economistas liberais fizeram duras críticas a certas práticas econômicas dos Estados absolutistas europeus dos séculos XVI, XVII e XVIII, como monopólios e protecionismos, além do exclusivo colonial. O mercantlismo é sim uma prática capitalista, no sentido da existência de capitais privados e de uma burguesia empreendora.

Você não pode analisar o passado com os olhos do presente. No contexto, 1905, a vacianação obrigatória foi uma violência, não só porque os agentes de saúde eram truculentos, mas porque para época, era uma invasão à intimidade das pessoas. Lembre-se que naquela época, a vacina, como medida profilática, ainda era uma novidade.

Pois é. Esse item ficou mesmo dúbio. Em meu comentário, citei que a referência a 1789 poderia confundir o aluno qie soubesse que esse hino foi escrito e tocado em1792. Desconsiderando a data, não acredito que a banca fez esse tipo de pega, seria indecente, o item está correto.

Não dou aula em cursinho, se é o que quer saber. Há uma frase meio boboca, mas interessante que diz: A vida é um vestibular, mas o vestibular, não é a vida. Continue estudando, esforçando-se que, para quem estuda e persiste, o prêmio sempre vem.