17 junho, 2007

Vestibular UNB 1

Os professores de História em Brasília devem ter ficado satisfeitos com a prova de vestibular da UNB, ontem. Os textos de Língua estrangeira trouxeram temas relacionados à História. Um aluno atento às aulas de história responderia aos itens sem muitas dificuldades. Um exemplo: os primeiros itens da prova de Língua espanhola foram itens de História, sobretudo, os itens 13 e 14. Outro exemplo foram os 9 primeiros itens da prova de Língua inglesa, principalmente o item 5 , 8 e 9. Seria agradável analisar esses itens de Língua estrangeira, mas irei focar os comentários nos itens de História em português mesmo.

Antes de analisar os itens 6 e 7 da prova de Linguagens e Códigos e Ciências Sociais, quero fazer um rápido comentário sobre o texto do sociólogo Roberto da Mata. O texto se baseia numa velha tara esquerdista de dividir o Brasil em dois. Ariano Suassuna, tão festejado ultimamente, repete à exaustão que existem dois brasis: o Brasil oficial e o Brasil real. O texto de Roberto da Mata é mais sub-reptício. Ele fala de duas brasilidades: uma brasilidade elitista, que ela chama de formal; e uma outra, mais popular, que ele chama de informal. Lendo com atenção, é o mesmo paradigma levantado por Suassuna.

No texto do sociólogo, fica claro que a brasilidade informal, que não se insere nos padrões, que representa o povo simples; é melhor, porque mais pura e mais genuinamente brasileira, do que a outra brasilidade, um tanto europeizada. Acho isso uma bobagem sociológica, mas Roberto da Mata é um especialista e eu apenas um curioso. Agora sim, vamos aos itens.

O item 6 está correto! No século XIX a idéia de que o europeu era superior aos outros povos era uma crença generalizada. Nas décadas finais do século, surgiram estudos, pseudo-científicos, que tentavam provar a superioridade européia, branca e cristã sobre outros povos. Uma das razões para o incentivo da imigração européia para o Brasil foi justamente o de “embraquecer” o país e torná-lo apto, pelo embraquecimento, a se tornar uma grande nação. Contudo, entre o desejo e a realidade da mestiçagem, prevaleceu a segunda.

O item 7 está errado! O erro é óbvio. Após a abertura democrática, ainda que o movimento das Diretas Já e a Constituição de 1988 tenham tido uma relevante participação popular, foi preciso esperar até 2002 para que a eleição de Lula levasse ao poder um candidato das camadas mais simples do Brasil. De forma subliminar, o item leva o aluno a inferir que após a vitória de um ex-operário, esses dois brasis vêm se aproximando. Uma falácia.

O item 14 está errado! Fico aqui pensando o que um aluno do Ensino Médio entende por revolucionário orgânico. O erro do item é afirmar que Lampião tinha um projeto de mudança; que o cangaço, por ele representado, tivesse uma plataforma política e social. Lampião, e outros cangaceiros, inserem-se na definição de banditismo social. Era ao mesmo tempo, produto e causa da miséria dos sertões.

O item 17 está certo! Excelente item. A conquista romana das ilhas da Sícila e da Sardenha e mais tarde do Egito aumentou em Roma a produção e o consumo de trigo. Da mesma forma, a conquista européia da América no século XVI, permitiu aos europeus saborear novos alimentos, como a batata e o milho. Aliás, a batata americana salvou muitos europeus da fome, no século XIX.

O item 24 está certo! A montagem do sistema de Plantation, isto é, a grande propriedade monocultora assentada no trabalho escravo, principalmente africano, ocorreu na costa leste da América.

Nenhum comentário: