20 maio, 2007

Silas Rodou.

O ministro das Minas e Energia, Silas Rondeau, disse aos jornalistas no Paraguai, onde participa, junto com o presidente Lula, da inauguração de duas unidades de geração de energia da usina de Itaipu, que nega peremptoriamente, as acusações da Polícia Federal de que teria recebido no dia 13 de março de 2007 a quantia de 100 mil reais como propina da Gautama. Visivelmente contrariado, o ministro declarou que não há provas contra ele porque a acusação é mentirosa.

A situação do ministro, na minha avaliação, é muito delicada. Até agora, ele é o único dos envolvidos no escândalo da Gautama que tem ligação direta com o poder executivo. Enquanto ele estiver na esplanada, o escândalo respingará no governo. Se Lula foi capaz de abandonar publicamente companheiros mais íntimos, como Genoíno, Dirceu e Delúbio, o que não fará com Silas Rondeau, de quem só ouviu falar por causa do senador José Sarney.

As provas exibidas no fantástico parecem irrefutáveis, mas a cautela e a prudência, assim como a Constituição, dá a todos a prerrogativa da inocência até que se prove o contrário. O problema é que na política o tempo é outro, e, por isso, acho muito pouco provável que o ministro permaneça no cargo.



Um comentário:

Blogildo disse...

As placas tectônicas da república estão em movimento... Vai "rodar" gente.