03 maio, 2007

Os Neros do Congresso.

Depois de uma pausa para sentir a emoção da paternidade (ainda é possível conferir a foto do bravo Estêvão, abaixo), volto a um tema que me é caro: rir das esquisitices dos esquerdofrênicos e esquerdopatas, e desmascarar suas falsas intenções de justiça, igualdade e honestidade. Antes uma digressão.

Na Velha Roma do século I d C, o imperador Nero não gostava apenas de escravos ou de incendiar a cidade, mas sobretudo, de se apresentar para o público em performances sofríveis, mas que eram aplaudidas; caso contrário, a morte visitaria o crítico independente. Na Roma dos césares, um imperador que se prestasse a essas excentricidades, receberia apupos dos senadores. Imaginem o constrangimento se a rainha da Inglaterra chegasse no Parlamento e dançasse o can can, o impacto seria semelhante.

Nas últimas semanas, nosso parlamento decidiu virar um circo. Parlamentares do PT e de outras agremiações de esquerda, decidiram mostar seu lado, como direi... Nero de ser. Primeiro foi o senador Suplicy que recitando versos dos Racionais, - juro que não sei quem é e não quero saber - arrancou dos senadores presentes, não aplausos, mas risos com a macaquice. Ontem, foi a vez do meu petista pernambucano preferido, o Paulo Rubem Santiago, de imitar seu colega parlamentar. Em sessão da Câmara dos Deputados, recitou versos de sua autoria para homenagear o mais picareta dos educadores brasileiros, o homem que fez um mal enorme à educação no Brasil e que meus professores na UFPE transformaram num mito: Paulo Freire. (espero que a família de minha mulher entenda, eles são parentes desse senhor). vejam os versos:

Paulo Freire está aqui
Há dez anos nos deixou
Mas sinto que ele sorri
O País está em marcha
É longa a caminhada
Constante, batalha intensa
Juventude quer, pensa
Segue firme sua jornada

Ainda bem que ele não cantou. Mas vejam que coisa: petista é mesmo um mal irrecuperável. Não sabe fazer versos, não sabe governar e mente com aquela desfaçatez dos cínicos. Só uma coisa um petista sabe fazer: locupletar-se.

Analisemos os versos.

1 - O petista é médium. Ele sente Paulo Freire. Pode arrumar uma ponta na novela O Profeta, cheia de sensitivos também.

2 - Esquedistas adoram uma marcha, já viram: Mao fez a sua que custou a vida de milhões de chineses. Outro marchador famoso, foi Mussolini, que não era de esquerda, mas tinha a mesma atração pelo mal, isto é, de matar os que pensavam diferente.

3 - "Juventude quer, juventude pensa." Não eram os nazistas e os stalinistas que tinham suas "juventudes" empenhadas? Claro Zé Paulo! A juventude que quer e a que pensa, é óbvio, são os filhotes do esquerdismo; aqueles que citam Paulo Freire como um messias e adoram a Foice e o Martelo como símbolo de justiça. Se você for um jovem liberal, democrata e capitalista, você não pensa, é um "burguesinho" reacionário e merece o fogo do inferno.

PS: Em outro post falo da picaretagem de Paulo Freire e de outras picaretagens dos comunistas de Olinda.








4 comentários:

Ricardo Rayol disse...

Zé, fez uma análise muito direta. Só um detalhe. Eles sempre foram um circo, de pulgas.

Blogildo disse...

O pior são os filhotes ideológicos de Paulo Freire. Já leu um linguísta chamado Marcos Bagno? Nem queira.

Anônimo disse...

Como sempre, seu texto apresentou sensatez, cultura e bom humor. Não há quem discorde do "circo" que se tornou nosso Congresso, (sem ofensa aos artistas reais, que fazem um belo espetáculo num lugar onde as pessoas vão justamente para assisti-lo).
Entendo sua postura crítica diante dos petistas e, como educador, diante de Paulo Freire. Contudo, acho (é apenas uma opinião) que às vezes vc julga pesado, ou utiliza expressões muito radicais para referir-se a determinados renomes.
No caso de Freire, também sendo educadora, não o vejo como um picareta. Entenda que não o defendo como modelo de saberoria a ser seguido, ou como um "mito" (nem gosto deste termo, pois mitos não são discutidos). Acho inclusive que sua fala é muito romântica em alguns aspectos, cheia de lacunas em outros e repleta de ideologias que comumente não são criticadas.
Porém, vendo a miséria do quadro educacional brasileiro, apoio todo aquele que tenha a ousadia de tentar fazer diferente, de escrever livros, de trocar idéias, apresentar novos referenciais. Estes refereciais podem ser até pouco praticáveis em aula, porém, representam um movimento de mudança, um "não" ao comodismo, tão presente em tantos educadores...
Não creio que Paulo Freire tenha se colocado diante de uma mesa, algum dia, e pensado"vou escrever algo só para ficar famoso,ser pensado como um sábio!!!" Vejo-o sim como um educador que tentou criar algo diferente, à sua vista, é claro. Quantos de nós reclamam dos alunos, da escola, do governo e se quer pensa em criar uma aula diferente? Muitos criticam os pedagogos (especialmente os Orientadores Pedagógicos), acusando-os de desalinhados com a realidade, mas não sabem apresentar novas propostas ou sugestões. Muitos destes se quer vão às reuniões pedagógicas, criadas para o crescimento do grupo (embora, verdade, estas, muitas vezes sejam convertidas em falácias infindáveis, por culpa de alguns profissionais que perdem a consciência de seu trabalho)
Não acho que Freire seja um grande vilão. Acho sim que foi visto como um "santo brasileiro", milagroso e genuinamente "nosso", a "nossa cara" de intelectualidade no exterior. Foi e ainda é visto como um mito e, contra mitos, é quase um pecado discordar (um absurdo).
Acho, porém, que quem o utiliza sem conhecer suas obras e, o mais importante, sem criticá-la, este sim é um picareta da educação.
Ninguém nunca diz algo que não possa ser, em parte, aproveitado(ainda que como ponto de partida para discussões num blog, como a ridícula poesia citada). Vale usar a teoria de Paulo Freire tal qual uma formiga usa um monte de areia misturada às folhas: pega-se somente aquilo que, de alguma forma, possa servir (sempre há algo). O importante é não radicalizar: nem jogar tudo fora como "picaretagem", nem tomar tudo como uma bíblia da educação.
Desculpe o texto longo, sei que não é muito apropriado para um post, não precisa publicar. Apenas precisava deixar um ponto de vista diferente.

PATRICIA M. disse...

Costa, mas se ate o nosso presidente adora fazer suas macaquices!!!! Em terra de macaco, orangotango eh rei!