17 dezembro, 2006

Professor Emir... Sai daí.

Emir Sader é ridicularizado por muita gente, o que é uma injustiça. Outros ainda mais nefastos passam incólumes pelo enxovalho público. Há muito tempo atrás, numa entrevista ao programa Provocações, Emir Sader, entrevistado pelo Havengá, disse que sua maior tristeza foi a ditadura argentina ter lhe tomado a mulher, o grande amor de sua vida. Fiquei comovido.

Em artigo publicado no Correio Braziliense deste domingo, escreve como professor, sobre a ascensão de Pinochet ao governo do Chile em 1973. É claro que ele sataniza a direita, os torturadores e o infame Pinochet, mas silencia sobre seus congêneres de esquerda. Fiquem atentos a esse trecho: “ Assim se instaurou no Chile o sangrento golpe militar, que faria de Pinochet o Franco, o Hitler, o Mussolini, o Salazar, do nosso tempo” Fiquei com uma dúvida professor. Esses nomes são de que tempo? Não viveram todos no século XX? Aliás, por que esconder Stálin, Mao Tse Tung, Pol Pot, Fidel Castro? Acaso eles mataram menos? Ou as mortes que eles comandaram são moralmente justificáveis? Ah, Pinochet e as Forças Armadas do Chile deram um golpe, depuseram um governo legitimamente eleito. Hum... Algum desses líderes de esquerda foram escolhidos nas urnas? Não. Assumiram o poder nas armas e na marra.

O professor Emir poderia também ter lembrado do caos que estava o Chile no governo Allende, poderia ao menos por a culpa na direita, mas em seu artigo a impressão que dá é de um Chile feliz e desenvolvido que entra nas trevas no período de Pinochet. Como bom homem de esquerda, ele pinta Allende como um herói. Matou-se, mas não se rendeu. Alende ao menos era um homem de palavra, coisa que muito esquerdista no Brasil não tem. Prefere ganhar dinheiro traindo companheiros e ajudando a companheira.

4 comentários:

Anônimo disse...

Aha! Emir Sader eh um cretino. Como bom comunista, deveria se mudar para Cuba de vez. Mas nao, claro que nao. Quem quer viver em Cuba? Nem os cubanos querem. Emir tem carro caro, de luxo, motorista, vive na mordomia. Quem quer trocar isso tudo pela miseria? Esses caras sao comunas da boca para fora, porque naquela epoca conferia ao sujeito uma certa "aura"... hoje tudo isso esta muuuuuito ultrapassado, gracas a Deus. "Aura" hoje quem tem eh quem ganha dinheiro. Ponto.

Ricardo Rayol disse...

falou tudo

andre wernner disse...

Costajr.,
O problema da esquerda é a ala burra, aquela que só vê méritos nos seus feitos e, lamentavelmente, nada mais presta. Desovam o que lhes convêm, escondem a história e disseminam pelas entranhas do povo, às maravilhas que, na verdade não existem.
Populismo não é progresso. Projetos como Bolsa Família se se perpetuarem se tornam uma praga para o povo humilde que precisa de trabalho e renda para ter dignidade.
Se esse socialismo do Fidel, abraçado pelo Chàvez e amado pelo Lula fosse bom, a ilha seria o paraíso na terra...
E, sabemos, que não é nada disso.
E viva a democracia!
Abs

andre wernner disse...

É verdade, a Patrícia tem razão.
Não se fazem vermelhinhos nem barbudinhos como antigamente, que abraçavam a causa, tinham um ideal e morriam – abraçadinhos – com ele.
Hoje o exemplo do ideal da esquerda é o Aldo Rebelo – do PcdoB – e presidente da Câmara dos Deputados desta República(!), que esqueceu os ideais do passado, e tascou juntamente com Renam Calheiros, um aumento de salário para os seus pares de 91%!
E, pior do que isso, não ficou ‘vermelho’ nem de mentirinha...
Que esquerda é essa?
Faça o que eu mando, mas não faça o que eu faço?
Brasil dos sonhos meus, mostra a tua cara.
Isso que está aí é a máscara!
Abs