20 outubro, 2006

Isenção e imparcialidade, sei...

Quem me conhece, mesmo que seja há pouco tempo, sabe que neutralidade e imparcialidade são duas palavras nas quais não acredito. Essa minha postura me traz muitos problemas, vivemos a época do politicamente correto, deve existir algum manual secreto dizendo como as pessoas de bem devem se comportar, o que elas devem dizer, que bandeiras elas devem levantar e defender. Não leio esse manual nem estou preocupado com ele, minhas idéias e minhas opiniões só podem fazer mal a mim mesmo, não exijo que me sigam, muito menos que me leiam, como diria Fernando Pessoa " Não quero ser da companhia...".

Essa semana os petistas exibiram como troféu a capa e a respectiva matéria de capa da revista Carta Capital. Não polemizei, o debate seria inútil, seria o direitista, o neoliberal, o tucano - os petistas acham que sou tudo isso, quando na verdade sou apenas ANTI-PT e ANTI-LULA - falando e tendo a ousadia de contestar uma revista séria e imparcial como Carta Capital.

No debate que mantive com os petistas eles tentaram me convencer que a Revista Veja por exemplo, só mostra um lado, o da classe dominante, não dá espaço para o contraditório, já a Carta Capital, não, exibe os dois lados, é isenta e imparcial. Já descontruí nos posts abaixo a falsa isenção e imparcialidade de Carta Capital, inclusive já divulguei o site onde provo minha afirmação. Abaixo vou reproduzir um post do blog da Tereza Cruvinel, colunista do Globo e petralha do jornalismo, que sempre que pode defende o chefe do bando com paixão, nem mesmo ela foi capaz de defender a farsa montada pela Carta Capital, veja o que ela escreveu: (segue abaixo)

Sobre venenos no ar: Saiu a íntegra da fita que registra a conversa entre o incrível delegado Bruno e os repórteres. Vê-se que a matéria da revista Carta Capital fez uma reprodução parcial, induzindo àquilo que chamei demonização da TV Globo. Presentes representantes de uma emissora de rádio e dos 3 maiores jornais, o delegado manifesta sua preocupação em fazer com que o CD com as fotos chegasse também aos telejornais, e não apenas à TV Globo e ao Jornal Nacional. Fala na Band e no SBT também. Mas prevaleceu a versão que reduz o vazamento em off - operação cotidiana do jornalismo - a uma conspiração para forçar o segundo turno, tendo toda a imprensa e em particular a Globo como
grande conspiradora. Veneno, muito veneno no ar.

No trecho abaixo, Cruvinel deixa registrado seu DNA petralha e tenta se esquivar da acusação de ter defendido Freud Godoy, o segurança do Lula, cada vez mais enrrolado no caso do dossiê fajuto. Petralha é assim: Quando os amigos caem em desgraça, afasta-se deles, é a ascendência bolchevique do partido.

Sobre as cobranças quanto ao Freud: eu registrei mesmo a informação de que ele foi citado por Gedimar para proteger Lorenzetti e os aloprados. O Governo vem bancando que ele entrou nesta história de gaiato. Mas não pus a mão no fogo por ele. Vamos ver se aparecem indícios ou provas contra ele, agora que o sigilo foi aberto.

Nenhum comentário: