02 setembro, 2006

A punição deve partir de nós!

“ Não vejo nenhuma verdadeira diferença entre os skinheads e os neozaistas de hoje e os nazistas da geração anterior. Estes são os mesmos que antes. Continua sendo a mesma forma de imbecilidade e de atração pelo mal, o mesmo ódio dos outros e o mesmo desejo pela destruição” Humberto Eco.

(parece que mais gente anda aderindo a essas ideologias...)


Revoltante! Absolutamente inadmissível o que aconteceu em Brasília no último dia 21 de agosto. Covardes, bandidos, escória, malditos, tais adjetivos não medem o que foram e o que são, esses cinco homens que espancaram até a morte o jovem Ivan Rodrigo da Costa, apenas pelo prazer de praticar maldade. Eis que descobrimos que três dos cinco agressores davam aulas de capoeira a crianças em escolas do DF. O que eles ensinam? a bater? a odiar? a matar? Esse tipo de crime em Brasília não foi uma exceção. Espancamento e desprezo pela vida humana é um tipo de crime que infelizmente se repete na capital do Brasil. E deve se repetir também, a impunidade, que estimula mais crimes e que causa ainda mais dor, revolta e indignação!

Em 1997 jovens de classe média fizeram uma “brincadeira”, foi assim que eles disseram, e atearam fogo no índio pataxó Galdino, que dormia num ponto de ônibus da 703 sul. Presos, os jovens justificaram a ação dizendo que pensaram tratar-se de um mendigo. Hoje, esses agressores estão soltos, beneficiados pela nossa lei branda que protege o criminoso e assusta gente de bem e que apenas quer viver em paz e em segurança. o correioweb noticiou ontem: três dos assassinos [do índio Galdino] foram flagrados bebendo cerveja e namorando em um bar na capital federal, no momento em que deveriam estar trabalhando ou estudando. Perderam o direito ao benefício apenas temporariamente. O menor de idade à época já cumpriu a punição e está livre. Talvez aconteça o mesmo com essa gang que assassinou com requintes de crueldade o jovem Ivan Rodrigo da Costa, promotor de eventos, 29 anos.

A punição não virá da justiça! Essa liberta, facilita, flexibiliza, protege, pessoas que não se incomodam em tirar a vida de gente de bem. A punição deve vir de nós! Da sociedade civil. É preciso banir, repudiar, não admitir o convívio social dessas pessoas. Negar-lhes emprego, direito à diversão, a qualquer tipo de relação social. A imprensa deveria lembrar, divulgar, expor de mês em mês, o rosto, os crimes dessa gente torpe e maldita! Eles precisam carregar consigo essa mancha, e que todos nós, homens e mulheres de bem de Brasília, possamos, assim que tivermos o desprazer de os encontrar nas ruas, de mostrar nossa ojeriza, nojo, vergonha por essa gente ainda circular entre nós. Eles precisam saber que são e serão desprezados, que a simples presença deles provoca repulsa, e que na cadeia ou no presídio eles se sentiriam melhor do que em liberdade, desfrutando da vida que tiraram de suas vítimas inocentes!

Versos de repulsa!

Bolsos cheios, cabeças vazias
Pais importantes, valores tacanhos
Idéias nefastas, pensamentos estranhos
São discutidos por almas sombrias!

Dançam, cantam, pulam, jogam pernas
Atraem e seduzem, meninos e meninas
Esses legítimos filhos da latrina
orgulham-se de promoverem a baderna.

Devem estar agora na prisão rindo
Felizes do crime, comemorando!
Quem sabe planejem, uma vez saindo
Outras mortes covardes imaginando!

Um comentário:

saulo disse...

Zézão! Concordo na íntegra! Junto-me ao seu discurso como cidadão, pai e cristão!Triste, muito triste!
Bem já dizia o pensador: " Homo homini lupus"(HOBBES), que pena...parece cada dia mais distante o amar ao próximo como a vós mesmos!
abraços "companheiro".
saulo