16 setembro, 2006

PT (PARTIDO DA TRAMÓIA)



Dessa vez o dinheiro não estava na cueca, mas em uma mala. Porém está tão sujo como se estivesse escondido nas partes íntimas. O militante do PT em Cuiabá, ex-tesoureiro do candidato do PT a capital do Mato Grosso, Valderan Padilha, foi preso com 1,8 milhão de reais. O esquema escandaloso é ainda mais podre. O dinheiro seria entregue para os vedoin, e em troca, o portador da dinheiro seujo entregaria documentos, fotos e fitas, que supostamente incriminariam o candidato José Serra, favorito em São Paulo, com a máfia dos Sanguessugas.

Desse esquema participaram o PT, nada estranho, como disse o Alckmin ontem, se olhar bem, onde tem um crime, tem um petista ou filo-petista envolvido. Chego a pensar que petista não trabalha, planeja e executa crimes. A novidade, ao menos para mim, foi a ISTOÉ ter entrado na patifaria. A capa da Revista denunciava que o ex-secretário do Ministério da Saúde, Barjas Negri, na gestão Serra, havia se empenhado em pagamento aos Vedoin, ou seja, Serra seria tão corrupto quanto foram Humberto Costa e Saraiva Felipe, ministros de Lula. O escândalo é que a Revista não apresenta qualquer prova. Lendo a matéria, até os vedoin, esses heróis do Brasil, não ousaram incriminar Serra e saibam que eles incriminaram 116 pessoa, mas Serra, nem na CPI, nem no Ministério Público, nem na farsa da matéria da ISTO É, tiveram coragem de incriminar. E por quê? Porque não há provas. Mas eles iriam receber 2 milhões de reais para entregar documentos que supostamente comprometeriam o candidato ao governo de São Paulo? Não comprometeriam nada! Seriam forjados para comprometer e ainda receberiam uma bolada para isso.

Eis o PT e seus métodos. Isso é mais que bolchevismo em estado puro. É ladroagem pura e simples. Mas por que destruir Serra? Lula não está na frente? Para os petistas, o governo de São Paulo é tão importante quanto a presidência. Da forma que as coisas estão se desenhando, o PT vai ter uma meia vitória.

Nenhum comentário: